Hiroshi Bogéa On line

Deixem o vento entrar, e bater

O blogger reproduz o grito de Franssinete Florezano:

Belemenses, uni-vos!
Vem aí mais uma tentativa de construir monstrengos na orla de Belém. Temos que organizar um levante contra a especulação imobiliária antes que, na contra-mão da História, a cidade permita que sejam erguidas muralhas ao seu redor.

Coberta de razão, a blogueira. Sua preocupação tem a ver com a qualidade de vida das pessoas que residem horizontalmente.

Fechar o espaço aéreo do rio Guamá, através da verticalização de prédios, é tão criminoso quanto o processo de urbanização invertida praticado ao longo dos últimos 60 anos, culminando com o soerguimento de casas, casebres e grandes barracões em toda a extensão de sua ex-orla, que agora o Duciomar tenta ressuscitar.

Enquanto é tempo, a prefeitura de Belém precisa entrar de sola nessa questão. Usar o Código de Posturas. Se ele não regulamenta o tema, convocar a Câmara Municipal para trabalhar.

Post de 

2 Comentários

  1. Franssinete Florenzano

    9 de fevereiro de 2008 - 23:46 - 23:46
    Reply

    Oi, Hiro! Obrigada por repercutir. É importante que em todas as cidades beira-rio nos preocupemos em manter a orla livre de paredões. Senão, falar em qualidade de vida será piada (de mau gosto). A especulação imobiliária e a corrupção de prefeitos pode fazer estragos incorrigíveis. Nós, que tivemos a chance de brincar na areia, de tomar banho de rio e de igarapé, temos a obrigação de preservar essa bênção da nossa terra às gerações futuras. Beijo!

  2. Anonymous

    8 de fevereiro de 2008 - 11:48 - 11:48
    Reply

    Mas, assim, hemm: se fizer o que o post sugere, perde-se o objetivo principal dessa ação.
    É justamente aí que mora o perigo, meu amigo.
    Ou você não conhece o nosso queridíssimo Dudu.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *