Deficiência na produção reduz oferta de vacina contra difteria e tétano

Publicado em 14 de janeiro de 2014

 

Muito procurada em função do elevado risco em contrair essas doenças, a vacina dupla adulto, denominada apenas DT – iniciais de difteria e tétano – não chega a Marabá em quantidade suficiente desde junho de 2013.

A aquisição, de total responsabilidade do Ministério da Saúde, foi reduzida em função da falta do produto no Brasil, o que tem gerado muita reclamação da clientela do SUS – Sistema Único de Saúde.

A redução afeta o Brasil inteiro e as Secretarias Municipais de Saúde, responsáveis apenas pela aplicação da vacina, operam com quantitativos reduzidos.

Segundo a enfermeira Priscila Caroline Silva, coordenadora de Imunização na Secretaria Municipal de Saúde, Marabá carece em média de três mil vacinas/mês, mas desde junho de 2013 o município tem recebido quantidade muito menor que o necessário para atender essa demanda.

No mês de dezembro, por exemplo, foram enviadas à Marabá apenas 100 doses da vacina para fazer frente à demanda do mês de janeiro.

A escassez da vacina obrigou a SMS a estabelecer prioridades para a imunização.

Gestantes e vítimas de acidentes graves recebem prioritariamente a vacina.

Também de acordo com Priscila, nota expedida pela Coordenação do Programa Nacional de Imunização esclarece que a redução se deve à paralisação da unidade nacional produtora do imunobiológico, que passa por reforma, no Instituto Butantan.

Fonte: Ascom-PMM