De novo, a censura

Publicado em 12 de dezembro de 2007

Vez por outra, um daqueles beiçudos de Brasília ensaia, intramuros, apresentar proposta constitucional para controle da Internet, sob alegação de que ela está sendo usada para a prática de crimes de tráfico de animais, venda de órgãos do corpo humano e armas ilegais, escravidão e pedofilia.

Primeiro foi o senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG) com o tal projeto que pretendia não só exigir a identificação do usuário na criação de um blog, mas para todas as operações que envolvessem interatividade.

Agora é um deputado do Paraná. Pelo menos ele anda medindo a temperatura de seus colegas na Câmara Federal para apresentar algo idêntico ao do ” mensaleiro” Azeredo, restringindo a liberdade da Net.

Condenamos pedofilia e qualquer tipo de crime. Mas devemos também reagir com determinação a qualquer iniciativa que privilegie o controle prévio da Internet. Quem pensa em controlar, pensa como um ditador. Pensa como Chavez. A Internet surgiu liberta e deve ficar assim para sempre de todos os sempre, amém.

Por onde anda, o criminoso sempre deixa pegadas. Até na Rede. As autoridades que o procurem na própria Net, como vem fazendo a Interpol em diversos países, tendo como resultado extraordinário o resgate de mais de 700 vítima de abuso sexual e apreensão de aproximadamente meio milhão de fotos de crianças nuas.

A Internet foi a primeira mídia a surgir totalmente livre. E poderosa. E assim deve ficar.
Investigar a fundo todo link suspeito, defendemos à profusão. Censura prévia, Jamais.