Hiroshi Bogéa On line

De Ajuruteua a Salinas, o giro dos navegantes amazônidas

 

 

As aventuras inesquecíveis Pelos Rios da Amazônia foram vividas, sábado passado, 14,  na proa de águas do Oceano Atlântico.

Desta vez a turma foi menor, apenas onze jetiskistas, sob comando de Leonel Pinho e Aluísio Meira.

O trajeto foi de Ajuruteua (Bragança) a Salinas, num percurso de 69,5 milhas náuticas – ou, em linguagem popular,  128 km (imagens do Google)

 

A aventura teve exata duração de 6 horas – tudo cronometrado pelo infalível  Dr. Aluísio Meira, perfeccionista ao extremo de marcar pontos de parada e suas coordenadas, sob a segurança de moderno GPS.

O pôster mais uma vez perdeu essa emoção.

Aliás, duas seguidas.

As fotos  narram mais do que qualquer texto, produzidas pelos clics de Carol, Luana e do próprio Aluísio.

Rumo a Ajuruteua, cada qual levando seu Jet pela rodovia. (Foto Carol)

 

Chegando na Vila dos Pescadores, em Ajuruteua (Carol)

 

 

Na Praia dos Pescadores, arrumando para a partida (Carol)

 

Equipe que lançou os jets n´água, na Ilha do Pescador (Foto AM)
Todos os membros da aventura fazendo pose à posteridade, antes da partida (Foto Luana).
Acertando detalhes antes da partida. (Carol)

 

Saindo de Ajuruteua (Carol)
Providencial parada técnica na Ilha Canelas, conforme lembrou Dr. Aloísio, “para repouso e geografia”. (Carol)
Saindo da Ilha Canelas em direção a Ponta Maiaú ( Carol)

 

Diante das águas oceânicas agitadas, busca por caminho menos turtuoso. (Carol)
Croa Nova, na Baía de Pirabas (Carol) .
Almoçando na Croa Nova. (Carol)
Chegando a Baía do Inajá (Carol)
Rápida parada na Prainha do Furo Maiaú AM)
Imagem maravilhosa do belo manguezal da Ponta Quatipuru (AM)
Palafita solitária na praia da Baia de Japerica (AM)
Navegando o conhecido Furo Grande (Carol).
Última etapa do percurso: dentro do furo da Ilha Fortaleza. (Carol)

 

Rumo a Praia do Atalaia, em Salinas.

 

 

 

Finalmente, Praia do Atalaia – em Salinópolis
Post de 

6 Comentários

  1. Mestre Chico Barão

    18 de julho de 2012 - 02:58 - 2:58
    Reply

    Técnica e Coragem

    Parabens para essa turma, esse trajeto que já era difícil ficou perigoso pela fase da lua, eu pesquei em uma lancha de 23 pés na pedra do Xareu e o mar com seu balanço me expulsou antes da hora imagine o que passou essa turma de Jet!

    MCB

    • Hiroshi Bogéa

      18 de julho de 2012 - 09:22 - 9:22
      Reply

      Mestre Barão, realmente, fazer esse percurso não é para os fracos, como diz os feicistas. É preciso coragem, determinação e técnica – além, claro, de equipamentos de localização de segura performance.

  2. ANONIMO

    17 de julho de 2012 - 14:50 - 14:50
    Reply

    A navegação sempre fascinou o homem,e vai ser sempre assim; eu naveguei muito com meu velho e saudoso pai, hoje os afazeres profissionais me afastaram da navegação, mas ao me aproximar dela através do seu blog,taquicardizei e mareei os olhos.

    • Hiroshi Bogéa

      17 de julho de 2012 - 14:56 - 14:56
      Reply

      Anônimo 14:50, eu tb sou fascinado por navegação. Convidado por meu filho, já participei dessas aventuras pelos rios da Amazônia e participarei de outras. Imagino o quanto te faz bem subir e descer o rollor do blog olhando tais imagens. Gostei das expressões “taquicardizei e mareei os olhos”. São fortes tanto quanto as fotos. Obrigado.

  3. Edson Rosa

    17 de julho de 2012 - 08:29 - 8:29
    Reply

    Bom dia,

    Belas fotos, mas uma pequena correção, nas fotos 13 e 14 o nome correto da Praia é Croa Nova, vou lá desde pirralho, meu pai é de lá e meus avós ainda moram por lá….

    • Hiroshi Bogéa

      17 de julho de 2012 - 09:49 - 9:49
      Reply

      Você tem razão, Edson Rosa. Apressado para atualizar o blog, nem fiz revisão. Já está corrigido. Obg.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *