Covid-19: mortes em Belém crescem 120%

Publicado em 10 de março de 2021

De novembro de 2020 até a semana passada, houve um aumento de 120% nos números de mortes e 40% nos casos de infecção pela covid-19, em Belém.

Dia 1o de novembro de 2020 no acumulado de casos havia 2.284 óbitos e 48.354 casos confirmados. Já em 6 de março de 2021, saltou para 2.905 mortes e 76.161 casos de infectados.

Até as 18h01 desta terça-feira (9), a cidade soma 76.168 pessoas infectadas e 2.921 mortes, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa).

Maurício Bezerra, secretário de Saúde de Belém, reforça que o aumento de casos é preocupante e informa que nas cinco Unidades de Pronto Atendimentos (Upas) e nos dois Hospitais de Prontos Socorros  Humberto Maradei Pereira, no Guamá, e Mário Pinotti, no Umarizal, existem 87 pacientes que precisam de leitos de enfermaria e de UTI.

“Nesses espaços hospitalares há 59 pacientes com covid-19 que precisam de leitos de enfermaria e 28 necessitam de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).”

Em Belém, existem hoje o total de 86 leitos sob a responsabilidade da gestão municipal. Destes, 62 são de enfermaria e 24 de UTIs.

O titular da Sesma explica que ambos estão com a taxa de ocupação de 100%. Os leitos ficam no Hospital Dom Vicente Zico, que funciona como retaguarda para casos graves do novo coronavírus.

E também no Hospital da Beneficente Portuguesa, instituição filantrópica que também oferece serviços hospitalares aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).  (Cleide Magalhães)