Cores difusas no ar

Publicado em 23 de julho de 2008

Na PA-150, entre Sapucaia e Xinguara, imensa área de pasto incendiado por cigarro jogado de algum veículo de passagem deixou um rastro de fogo na lateral da estrada.

O céu não ficou cinzento nem escuro.

Abriu-se um leque de cores sobrepostas alaranjadas como se fosse a saia do dia se apresentando silenciosa sem a frieza da manhã.

Passava de 17 horas.

Abafado clima asfixiante confundia atentos observadores ao som de ruídos de rastilhos do fogo correndo o capim.

Barracos de palha foram apressadamente desocupados, restando, atada, uma solitária rede puída pelo tempo. E uma bibicleta, quase escondida.

Em épocas de fogo, até homem brabo foge das labaredas.