Hiroshi Bogéa On line

Conversa de garimpeiro

As “Forças Guerrilheiras do Araguaia” (Foguera) – denominação oficial do movimento de insurgência ocorrido no Bico do Papagaio -, nunca cogitaram explorar jazidas de minérios ou solicitaram alvarás de lavras como indica documento assinado, irresponsavelmente, pela diretoria da Cooperativa Mista de Serra Pelada, ao questionar junto ao Ministério Público Federal a concessão à Vale da exploração do garimpo e de outras jazidas minerais naquela região.
A ambição desenfreada dos patifes chega ao ponto dos mesmos tentarem alterar o curso da história peticionando algo que nunca existiu no passado. Nem haveria nenhuma possibilidade real de ocorrer dado às condições onde e como ocorreram os confrontos entre a militância do PC do B e as forças federais.

Aos fatos:

1- Quando começaram a se infiltrar na região, a partir de 1966, Maurício Grabois, Elza Monerat, Osvaldo Orlando da Costa, Nélson Piauhy Dourado, João Carlos Haas, Líbero Giancarlo Castiglia, Ângelo Arroyo e João Amazonas preocupavam-se, exclusivamente, em conquistar a população prestando assistência social, ampliando uma rede de organizações comunitárias e tentando conscientizar politicamente as comunidades nas regulares reuniões promovidas em diversas vilas e distritos.

Esse comportamento de dedicação total dos guerrilheiros à luta pela tomada do poder foi testemunhada pelos nativos, entre eles vítimas da guerrilha entrevistadas pelo poster, recentemente durante alguns meses.
Sem exceção, os infiltrados do PCdoB cumpriam rigorosa disciplina diária tateando estradas e pinicadas em busca de familiarização e realizando constantes treinamentos militares.

Alguma vez, eles chegaram a falar da existência na região de jazidas de ouro ou minérios outros em larga escala que fosse de seus interesses explorá-los como legítimos proprietários?

2- Dias atrás, à publicação do artigo de Vasconcelos Quadros, jornalista de Brasília, contando a invencionice de alguns diretores da cooperativa de que Dinalva Conceição (Dina), Osvaldão e outros líderes dos guerrilheiros seriam verdadeiramente antigos donos de Serra Pelada e de outras áreas de Carajás, o poster retornou às localidades de Metade, Oito Barracas e São Domingos, com a pergunta na ponta da língua.
Sem as dificuldades iniciais para a gravação dos depoimentos de treze personagens, a maioria com mais de 78 anos (sonoras arquivadas na VídeoV aguardando o destino a ser-lhes dado), o blogger pôde, desta vez, bater papo mais ameno.

Quatro pessoas voltaram a ser entrevistadas: Raimundo “Barbadinho”, Alda, Pedro Borba e Vanu.

3- Raimundo “Barbadinho” (foto abaixo) trocava prosa com Osvaldão e Maurício. Fizeram amizade no comércio que ele tinha em São Domingos e era visitado quinzenalmente pelos líderes da guerrilha, isso nos idos de 1969.
Quando Osvaldão não ia à vila buscar suprimentos, ‘Barbadinho’ levava-os em sua tangida de burros até o barracão onde o jovem negro morava dizendo ser comprador de pele de animais para revender em São Paulo.
De São Domingos ao local, nas imediações de “Manuel das Duas”, uma colocação de castanha explorada pelo castanheiro assim apelidado, a distancia não passava de uma légua. Foi nessa região que a Foguera implantou o Grupamento C (Caianos). Resposta de Raimundo Barbadinho:

– Nunca ouvi Osvaldão falando de garimpo. Nem ele, nem outro amigo dele. Mais tarde, quando descobrimos que eles eram guerrilheiros, então era que não se falava mesmo. A única coisa que se ouvia aqui era barulho de bala, tiros de metralhadora e fuzil.

4- Alda Gomes (foto), amiga de Dina, Alice e Fátima -, as meninas da guerra -, também nunca ouviu.

– Elas falavam de liberdade, da gente viver melhor, dos castanhais não serem apenas de cinco pessoas, mas de todos nós, caso o governo quisesse dividir as terras e distribuir para os pobres. Garimpo, minério… não, nunca ouvi isso. Aqui, não!

5- Pedro Borba (foto), figura super-bem humorada, espancado na Casa Azul, em Marabá (sede atual do Dnit, na Cidade Nova) e na Bacaba, viveu transportado de um lugar a outro, para confessar sua participação numa guerrilha da qual nunca participou – a não ser como torturado.
E ele nem sabia o que era guerrilha, mas conheceu Osvaldão e seus camaradas:

– Garimpo quem falava era nós por aqui, sempre querendo um lugar para tentar extrair ouro. Os “paulistas”(designação dada pelos nativos aos guerrilheiros) nunca falaram nisso, acho que eles não tinham nem jeito pra ser garimpeiros. Eram sabidos demais, e gente sabida não vai procurar o que não guardou debaixo da terra. 6- Resposta mais compatível com a realidade da época é do ex-mateiro do Exército Vanú (guia que andava na mata tentando localizar os guerrilheiros, seguido de contingente de militares do Exército; ou vice-versa, ‘guiando’os guerrilheiros nas estocadas que davam atacando as forças federais).

A explicação do ex-mateiro – que pediu a não publicação de sua foto -, abarca a lógica geográfica:

– Os guerrilheiros nunca chegaram às imediações do que hoje é Curionópolis. O máximo aonde eles chegaram foi a uns 20 km da Pa-150, que naquela época nem existia ainda. Só tinha a rodovia Transamazônica, inaugurada em setembro de 1972. O resto era pinicada ou estrada de carroça. Os ‘paulistas’ tinham o rio Araguaia como referencia, já que o Itacaiúnas ficava bem distante dos três Grupamentos montados no Bico do Papagaio.

7- O poster obteve um mapa antigo e sujo de barro, ainda do tempo da guerrilha, que os militares usavam para situar-se em suas investidas na floresta. Vanu tem guardado até hoje o croqui com a localização real dos grupamentos dos guerrilheiros: Grupamento A (Perdidos), bem próximo ao Araguaia; B (Caianos), atuante no vale da Gameleira e o C (Saranzal), nas imediações da rodovia Transamazônica.

Faz sentido, a declaração de Vanu.

Olhando o mapa fotografado das mãos de Vanu e depois reproduzido no computador sem as marcas do tempo, a localização dos três grupamentos (em círculo, área limitada para atuação de cada grupo formado por até dez guerrilheiros) os jovens insurgentes do PCdoB não passaram do espaço onde seria depois cortada pela Pa-150 (traço vermelho).

O croqui fornecido pelo ex-mateiro, confeccionado certamente pelos serviços de inteligência do SNI, é a prova de que não havia margem de manobra para líderes da guerrilha terem em seus objetivos, além da tomada do poder pelas armas, pesquisa de jazidas de minérios. Tremenda mentira.

Conta ainda algo interessante, Vanu:

– O Osvaldão dizia para todos seus colegas que a única saída segura da região, em caso do Exército fechar o cerco mesmo, como fechou mais tarde, seria pelo Araguaia. Ele lembrava que a Transamazônica era o pior caminho de fuga. Por isso os grupamentos foram definidos nos locais indicados aqui no mapa.

Osvaldão estava tremendamente certo. Dos guerrilheiros que conseguiram vazar o cerco militar, apenas dois seguiram pela Transamazônica. Só que em sentido de Altamira: Elza Monerat e Ângelo Arroyo.

Observem no mapa as linhas pontilhadas indicando o traçado futuro das OP-2 e OP-3, estradas feitas em tempo recorde pelo Exército para cercar a guerrilha. A OP-2( traço azul) é atualmente a BR-153, ligando a Transamazônica a São Geraldo do Araguaia; e, a OP-3 (traço róseo) é a estrada que hoje liga a BR-153 a Pa-150, passando pelo município de Piçarra.

Se os guerrilheiros estivessem atrás também de ouro, como insinua um falso documento da cooperativa dos garimpeiros, o PCdoB teria chegado além do traçado vermelho (Pa-150), mais ao Norte. Eles nunca estiveram ali.

8- Mais realista nessa história é Ana Salett Marques Gulli, chefe da procuradoria do DNPM em Brasília, nascida em Xambioá e neta de garimpeiro. Portanto, conhecedora da região e do próprio conflito.
Ela disse a Vasconcelos Quadros que os guerrilheiros não teriam tempo nem condições técnicas para se ocupar de minério. E também é improvável que algum ativista fosse colocar seu nome num requerimento de lavra.

Post de 

15 Comentários

  1. Anonymous

    26 de março de 2008 - 13:42 - 13:42
    Reply

    Não posso e não vou me identificar.
    O trabalho é seu! O problema é que vcs querem as explicações de quem esteve na guerrilha e quem esteve na guerrilha só sabe o que foi mandado fazer!
    Tente descobrir o Tal de Cel de Comunicações chamado Lineu Rhodi Rachewski – foi ele quem queimou os documentos da guerrilha (que nem merece tanto alarido). Não adianta me procurar que vcs não vão me encontrar e eu não vou confirmar nem informar nada. Bom trabalho o seu, mas está fora do foco. Quem mandou é que sabe tudo. Não quem executou, devido á compartimentação das informações.

  2. Hiroshi Bogéa

    14 de janeiro de 2008 - 22:18 - 22:18
    Reply

    Valeu deputado. Tamos na estrada, irmão.
    Abs

  3. Hiroshi Bogéa

    14 de janeiro de 2008 - 22:17 - 22:17
    Reply

    Barata, claro que seria interessante essa troca de experiencias. Anotei seu celular. Semana que vem estarei em Belém e te procuro.
    Abs

  4. Hiroshi Bogéa

    14 de janeiro de 2008 - 22:16 - 22:16
    Reply

    Ronaldo Brito Franco, na pressa, esqueci.
    Meu e-mail:

    hiroshyb@gmail.com

  5. ronaldo barata

    14 de janeiro de 2008 - 19:19 - 19:19
    Reply

    Caro Bogéa:
    tenho acompanhado teu trabalho com relação á guerrilha do Araguaia, e comungo com a posição do Orly Bezerra, da necessidade de publicação de um livro, apresentando, somente a visão da população rural da região. Quando fui presidente do Getat, tentei fazer o que hoje estás conseguindo. Foi inútil, face ao medo e desconfiança daqueles que de alguma forma participaram de tal evento, o que compreendi.
    Quando vieres a Belém, se for d teu agrado, entra em contato comigo. Deixo o meu numero do telefone: 88430992, pois tenho uma ideia para te apresentar. Se por acso eu for a marabá, entrarei em contato contigo.
    Parabéns pelo belíssimo trabalho de resgate das histórias de sofrimento e amargura dos camponeses do Araguaia.
    Abraços do Ronaldo Barata

  6. João Salame

    14 de janeiro de 2008 - 16:31 - 16:31
    Reply

    Sem comentários: dez!!!

    João Salame

  7. Hiroshi Bogéa

    14 de janeiro de 2008 - 15:25 - 15:25
    Reply

    É isso, Ricardo. Há muita gente esquecida no processo. É preciso escutá-las.
    Abs

  8. Hiroshi Bogéa

    14 de janeiro de 2008 - 15:24 - 15:24
    Reply

    Grande Orly, valeu.
    Estamos apenas tentando segurar a memória desse povo que apanhou pra cacete na época da chamada “Redentora”. O livro, nao pensei nisso ainda.
    Abs

  9. Hiroshi Bogéa

    14 de janeiro de 2008 - 15:22 - 15:22
    Reply

    Ronaldo, lembro de seu pai, claro. Tentei muito entrevistá-lo, sem sucesso. Mas compreendo todas as considerações.
    Fico feliz com seu comentário.
    Faz assim, te deixo meu e-mail pra gente trocqar figurinhas.
    Obrigado por acreditar no trabalho.

  10. RICARDO ARACATI

    14 de janeiro de 2008 - 12:16 - 12:16
    Reply

    Prezado Hiroshi, quantas HISTORIAS ainda nao virao atraves desses depoimentos de pessoas como essas (simples e verdadeiros brasileiros) que o Brasil e nossos governantes tentam ignora-los.

  11. Anonymous

    13 de janeiro de 2008 - 21:51 - 21:51
    Reply

    Belo trabalho, Hiroshi. Prossiga nessa linha que, não tenho dúvida, você produzirá um excelente livro, contando a história da guerrrilha com H maiúsculo.

    Um forte abraço,

    Orly Bezerra

  12. Anonymous

    13 de janeiro de 2008 - 19:00 - 19:00
    Reply

    Hiroshi, na pressa nao escrevi corretamente o PS. Quero retificar:

    PS- Meu PAI, só para lembrá-lo, é o chamada ” João do Brejo”, que voce tentou por tres vezes entrevistá-lo.

  13. Anonymous

    13 de janeiro de 2008 - 18:56 - 18:56
    Reply

    Prezado Hiroshi Bogea, moro em Brasília, trabalhando ha 15 anos no Tribunal de Contas da União. Nasci em São Geraldo, onde me casei e deixei ali meus pais, irmãos e restante da familia.
    Meu pai é vítima da guerrilha, atualmente com 81 anos de idade. Ele foi torturado por mais de três meses na Bacaba (os militares nao levavam para Xambioá quem morava em São Geraldo, devido a proximidade), ficando surdo em consequencia.
    Tenho lutado para que ele seja indenizado, reconhecido como vítima de uma guerra da qual nós lavradores não tinhamos a menor do noção por que a mesma existia.
    Minha tia Adelaide Franco me comunicoou, inicio de dezembro, que voce estava em São Geraldo buscando gravar entrevistas com quem se considerassse vítima da guerrilha. Daqui de BSB orientei que nao permtisse que meu pai fizesse o depoimento solicitado por voce em razão do temor que temos de toda nossa luta, junto aos orgãos competentes pelo reconhecimento de nossos familiares vitimas da guerra, seja jogado por terra.
    Nesses ultimos dez anos, o que mais aparece em Sao Geraldo, Xambioá e Sâo Domingos é jornalista em busca de nosso povo para produzir reportagens mentirosas.
    Como venho acompoanhando através de seu blog (cujo endereço foi enviado pela secretaria de Educação de Sâo Geraldo) o trabalho sério em torno do assunto, e com a publicação desse post de hoje, quero me colocar ao seu inteiro dispor.
    Meu pai é um dos mais antigos militantes da guerra. Tenho documentos da época, manuscritosa de militares e uma série de outros materiais que podem ser uteis ao seu trabalho.
    Solicito enviar seu email para mantermos contatos.
    Parabens pela seriedade de seu trabalho.

    Ronaldo Brito Franco
    Brasília

    PS- Meu, só para lembrá-lo, é o chamada ” João do Brejo”, que voce tentou por tres vezes entrevistá-lo.

  14. Hiroshi Bogéa

    13 de janeiro de 2008 - 18:03 - 18:03
    Reply

    Boa tarde, Juva.
    Deu tm trabalhão voltar de novo aos mesmos lugares, convencer os amigos da floresta a falar de novop (eles vivem até hoje apavorados). Não tem pé nem cabeça essa estória (com E mesmo), parceiro.
    Vou ver se coloco o link…
    Um abração.

  15. Juvencio de Arruda

    13 de janeiro de 2008 - 17:29 - 17:29
    Reply

    Ah!,Hiro, faça-me o favor, este post é antológico. Tenha a bondade de colocar um link na configuração do blog, cara!
    Parabéns!
    Abs

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *