Com a palavra, o Juiz

Publicado em 5 de novembro de 2008

O Juiz de Direito de Marabá, César Dias de França Lins, citando trecho de “Dom de Iludir”, música de Caetano Veloso, faz comentário ao post  Questão Pessoal, responsabilizando,  com elegância, o Ministério Público pelo insucesso dos Júris suspensos recentemente na cidade, foco de tensões entre o judiciário e o MP.

Texto do  magistratus:

É com muito respeito que aceito e agradeço as críticas negativas e positivas, pois isto é exercício da Democracia. 

Todos os sete júris foram marcados para dezembro, incluíndo os que não foram feitos. 

Não vou dizer quem está certo ou errado, mas convido o Senhor para participar dos eventos e formar sua própria convicção. Todavia, abandonar o plenário não se justifica de forma alguma!A OAB e seus advogados militam diariamente na Comarca, e ninguém melhor do que eles para se manifestarem sobre o trabalho de um juiz. Hoje, apenas para esclarecer, estou julgando réus em 4 a 6 meses da data da prisão.

Quanto a crítica de Novo Progresso, ali realmente é um local de desordem total, onde tive que agir com pulso firme para não ser expulso da Cidade como aconteceu com o último juiz e promotor, dando-se um desconto ao anônimo postante..rss… Mas como dizia o poeta: “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é…”

Abraços fraternais

Do seu leitor assíduo

César Dias de França Lins 

Nota do blog: a postura do juiz César Lins, em Novo Progresso, foi realmente de muita firmeza. O poster ouviu de secretário municipal daquela cidade elogios à conduta dele durante o tempo em que exerceu a função na Comarca. “Havia respeito à autoridade do judiciário, ao contrário do que ocorreu recentemente, quando juiz e  promotor fugiram com medo de ameaças”.

Explicado.