Cinzas de Pinheiro serão espalhadas no Itacaiúnas

Publicado em 10 de outubro de 2011

 

 

Gina Pinheiro, esposa do cirurgião-plástico Antonio Pinheiro, que morreu num quarto de hotel de Brasília vítima de ataque cardíaco, atenderá  pedido do marido. Após procedimentos de cremação do corpo, as cinzas serão transportadas a Marabá para serem espalhadas sobre as águas do rio Itacaiunas.

Quem conta é o irmão de Antonio, o advogado e colaborador do blog, Plínio Pinheiro Neto, num comovente comentário enviado ao blogger:

 

Caro Hiroshi.

O Antonio partiu inesperadamente, no momento em que mais uma vez deixava o convivio de sua familia, para dedicar-se ao seu sacerdócio, que era o exercicio da medicina como um todo. Partiu longe de nossos olhos que tanto o amavam, em um quarto de hotel em Brasília, quando se arrumava para ir para o aeroporto, porém tenho certeza de que não estava só, pois como homem integro, honrado, humilde e desapegado dos bens materiais, por certo Aquele que se agrada de quem assim vive, por certo estava com ele. Há uma dor muito grande em nossos corações, pois ele era uma referencia e um exemplo para a familia e uma voz sensata e aconselhadora, que se fazia ouvir nos momentos mais precisos. Por vontade dele o corpo será cremado e as cinzas atiradas no rio Itacaiunas, desta Marabá que o viu nascer e que ele tanto amava. Que o SENHOR conforte o coração da Gina e dos filhos, fortalecendo-os a prosseguir na construção dos sonhos, alicerçados nos inolvidáveis exemplos de vida que o Antonio deixou para todos nós.

—————–
Atualização  às 11:21

O corpo de Antonio Pinheiro está sendo trasladado neste momento  para Belém.

Velório deverá ter início às 13h30, na sede do Conselho Federal de Medicina. Horário dos procedimentos de cremação ainda não está definido.

Na foto abaixo, aparecem os quatros médicos da família Pinheiro.

Da esquerda para a direita: Antonio Pinheiro Filho, ao lado do pai – Antonio Pinheiro; sobrinho Plinio Pinheiro Filho e o irmão Athos Cezar Pinheiro.

Dos quatro médicos, Athos exerce a profissão em Marabá. Antonio, pai e filho, em Belém. Plínio trabalha em São Paulo.