Hiroshi Bogéa On line

Chama o Plínio Corrêa!

Soou como música de boa qualidade o ralho de Ana Júlia com   imprensa que abre páginas inteiras para divulgar o retorno triunfal da UDR.
Certíssima, a governadora.

Havia entendimento de que a maioria dos formadores de opinião tivesse adquirido a conscientização plena do mal que representam à sociedade excrescências com o perfil da União Democrática Ruralista (até o nome nos remete aos tempos da UDN).

Mas a movimentação nervosa de setores da mídia comprometida com os interesses da turma de Ronaldo Caiado S.A,  frustrou os mais otimistas.

A peste irracional sobrevive, em plena redação dos veículos de informação.

Só falta agora alguns jornalões convocarem a TFP.

Post de 

3 Comentários

  1. Anonymous

    10 de novembro de 2009 - 18:58 - 18:58
    Reply

    Ah, Hiroshi, esqueci de mencionar essa outra sigla, essa é de lascar, fazia anos que nem via isso escrito. TFP nunca mais!

  2. Anonymous

    10 de novembro de 2009 - 18:56 - 18:56
    Reply

    Cadeia também para os que grilham terras e desmatam sem dó e piedade. Ainda acredito no MST, um movimento justo e voltado para quem necessita de um naco de terra para poder trabalhar e criar seus filhos. A luta deve sempre continuar porque ficar de braços cruzados esperando a tão sonhada (e necessária) reforma agrária, os Caiados (dá até arrepio), a turma dos mais abastados nunca vai deixar isso acontecer, é mais interessante para eles manterem em suas fazendas grilhadas (recetemente se viu que o Estado do Pará é só a metade do que tá registrado em cartório) tabalhadores em situação de semi-escravidão. Hay que endurecer-se, pero si perder la ternura, jamás! UDR tem algo parecido com porão de ditadura.

  3. Anonymous

    10 de novembro de 2009 - 17:32 - 17:32
    Reply

    A única peste que existe no campo mesmo são os bandidos do MST. Não respeitam nada e ninguém , nem mesmo as lei, e querem respeito. Tá na hora de acabar com esses malfeitores que espalham o terror no campo. Cadeia neles, é o mínimo que merecem.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *