Hiroshi Bogéa On line

Cenas de domingo

Por ocasião de minha última presença em Parauapebas, semana retrasada, esse papo aí abaixo eu ouvi na recepção do hotel Atrium. Um hóspede de bermuda, camiseta e chinelo, na recepção com cara aborrecida:

– Meu amigo, estou com um problema.
– Pois não, senhor!
– Por que essas chaves dão defeito toda hora?
– É que, às vezes, o cartão desmagnetiza. Se ele ficar encostado ao celular, à televisão, a qualquer campo magnético, pode desmagnetizar…
– Campo magnético? Sei…

Pensa um pouquinho.
– E cerveja?
– Ãhn?!
– É, cerveja… Desmagnetiza?
– Cerveja, senhor?
– É que desde que eu cheguei, ontem à tarde, a única coisa que faço é beber cerveja… Já tomei umas trinta latinhas, pode checar aí na minha ficha. É Skol toda hora! E esse cartão só encostou em cerveja… Juro por Deus! Pode ser a latinha?
– Creio que não, senhor!
– Então troca essa merda que tá com defeito!
– Perfeito, senhor!

Meio-dia, no aeroporto
Encostado ao peito da mãe dentro de um canguru, o bebê deve ter no máximo oito meses.

No trajeto que separa a sala de desembarque até o portão de saída do aeroporto de Marabá,  empurrando um carrinho com duas malas e uma sacola ostentando embalagem de presente, a jovem mamãe olha atenciosa para a parte de fora do terminal, antes de cruzar a porta de vidro, aparentando a localização de alguém a lhe esperar.

Enquanto a mãe caminha lentamente empurrando o carrinho, de olhos arregalados, o bebê segue no canguru com fisionomia séria, observando tudo ao redor.

Nem bem se abre a porta automática da sala de desembarque do aeroporto, eis que surge, assim de repente, diante de mãe e filho, um jovem rapaz aparentando uns 28 anos, declaradamente feliz.

                              – Cadê o filho lindo do papai? Cadê?!, pergunta, dirigindo-se à criança pega de surpresa, mas não menos eufórica ao desgarrar imenso riso de felicidade, movimentando pés e braços no sentido de querer abraçar o pai.

O rapaz retira o bebê do canguru, abraço-o apertado e se volta para dar atenção à esposa, com um beijo apaixonado.

Caminham juntos até o carro estacionado logo à frente, arrumam as malas no bagageiro e seguem estrada.

Tão intensa de sonhos e projetos deve ser a vida do jovem casal, enriquecida com a chegada do lindo bebê.

O poster a tudo observa, discretamente sorrindo, e emocionado, diante da cena de um amor explícito.

Post de 

1 Comentário

  1. Anonymous

    13 de fevereiro de 2011 - 21:21 - 21:21
    Reply

    Se todas as crianças tivessem a mesma sorte de ter uma família feliz. Não haveriam trombadinhas soltos na rua, por que a violência começa dentro de casa!

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *