Hiroshi Bogéa On line

Casos de tuberculose aumentam em Marabá

Cerca de 50 casos novos de tuberculose foram registrados no período de janeiro a junho/2011 em Marabá, sendo 14 nos primeiros três meses e o restante no segundo trimestre, o que demonstra aumento superior a 250%. O crescimento também foi muito significativo em relação ao primeiro trimestre de 2010, quando a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) registrou 19 casos novos.

A razão para o crescimento da doença no município está associada a diversos fatores, que vão desde a higiene e alimentação precárias à grande movimentação de pessoas pelo município. Considera-se também a facilidade de transmissão do bacilo de Koch, feita de pessoa para pessoa, via gotículas de saliva contendo o agente infeccioso.

São sintomas da tuberculose: Tosse seca e contínua, apresentando depois de algum tempo secreção e com duração de mais de quatro semanas; sudorese noturna, cansaço excessivo, palidez, falta de apetite e rouquidão também são sintomas da doença. Nos casos mais graves a pessoa tem dificuldade para respirar, elimina sangue e tem acúmulo de pus na pleura pulmonar.

Post de 

2 Comentários

  1. Bideco

    5 de agosto de 2011 - 04:11 - 4:11
    Reply

    Anônimo disse, não existir apenas 50 caso de tuberculose em Marabá, tem razão, até por que a matéria afirma que são 50 novos casos da doença. Analisando com essa ótica, 50 novos casos pode significar alto índice nas metas propostas pelo município para o ano. Mas algo é positivo, o diagnóstico dos novos casos da doença prova que o serviço público que está fazendo a buscativa e proporcionando o tratamento e cura dos pacientes.
    \isso nos leva a ficar alertos e fazer o nosso dever de casa que é buscar a prevenção.
    Vamos a luta. Abraços

  2. ANONIMO

    4 de agosto de 2011 - 13:47 - 13:47
    Reply

    Se os dados forem da secretaria municipal de Saúde de Marabá,pode multiplicar esse número por pelo menos tres,pois esses 50 da estatística são uns “privilegiados” que tiveram acesso à diagnóstico e tratamento na rede pública,tem muito mais doentes e sem diagnóstico,com certeza.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *