Hiroshi Bogéa On line

“Caso Tina”: resultado da investigação sai em 15 dias

 

O  titular da Segup, secretário Luiz Fernandes Rocha, acompanha diariamente a movimentação no 4º BPM, de Marabá, para apuração da agressão que a jornalista Tina Santos sofreu, no último final de semana, durante uma blitz da PM numa casa noturna da cidade.

O próprio comandante-geral da Polícia Militar, coronel Daniel Borges Mendes, também se reporta ao secretário, bem como monitora as investigações.

Tina Santos recebeu em sua  residência a visita (foto acima) do  Superintendente de Polícia Civil do Sudeste do Pará, delegado Alberto Teixeira, e do comandante do 4º BPM, tenente-coronel José Sebastião Valente Monteiro, ouvindo de ambos a garantia de isenção na apuração do incidente que vitimou a jornalista.

Trabalho de investigação ficou a cargo do Capitão Saraiva, do 4º. Batalhão de Polícia Militar, com prazo de quinze dias para apresentação de seus resultados.

é quem foi indicado para presidir a investigação e tem prazo de 15 dias, e mais 7, se necessário for, para concluir os trabalhos e apresentar relatório.

Fotos de Nilson Santos

 

Post de 

11 Comentários

  1. silva

    31 de março de 2012 - 11:26 - 11:26
    Reply

    hiroshi bogea – qualquer cidadão tem o direito a ampla defesa ate mesmo esse policial , no dia que você for acusado de qualquer coisa você vai aceitar , nao vai querer se defender

    • Hiroshi Bogéa

      31 de março de 2012 - 11:47 - 11:47
      Reply

      Silva, todo mundo tem direito a ampla defesa. Vivemos num país democrático e livre. O blog nunca afirmou que o cabo Fernandes não tem direito a sua defesa. Ao contrário, ele tem esse direito, como a proteção aqui do poster, na caixa de comentários, para nâo ser agredido com injúrias, como tentaram alguns comentaristas maldosos. Um abraço.

  2. LEMBRANÇAS

    28 de março de 2012 - 21:29 - 21:29
    Reply

    Alguem se lembra de uma reporter da TV Liberal chamada MARIZA ROMÃO que BRAVAMENTE mostrou para o mundo o Massacre de Eldorado dos Carajas e que para preservar sua vida teve que pedir proteção inclusive da ONU e escafedeu-se de Maraba.

  3. RONALDO VIEIRA

    28 de março de 2012 - 18:23 - 18:23
    Reply

    Ao Edson!
    Cidadão não generalize, assim como o fez ao dizer que: “esses repórteres se acham autoridades”. Todas as profissões tem os maus profissionais assim como a sua, portanto reveja seus conceitos e não ofenda profissionais que estão na luta no dia-a-dia, noticiando, divulgando, denunciando levando ao conhecimento de todos o bom e o ruim, inclusive quando é de interesse coletivo. é assim que eu trabalhos e muitos outros colegas também.

  4. Pé di ferro

    28 de março de 2012 - 17:56 - 17:56
    Reply

    Querido Hiroshi, eu compreendo o fato de não publicar meu ultimo comentario, realmente em relação ao PM V.Fernandes, “Eu ouvi falar e fiz suposisões e não afirmações” mais como ja dizia os mais velhos! aonde tem fumaça tem fogo.
    Se a imprensa quiser descobre pois o caso comentado foi ajuizado segundo os relatos por mim ouvido.
    Abraço!!!

  5. Hiroshi Bogéa

    28 de março de 2012 - 14:06 - 14:06
    Reply

    “Pé Di Ferro”, você coloca em seu comentário suposição de que o militar envolvido no caso Tina Santos teria tido participação em casos de pistolagem em fazenda do Sul do Pará. É uma acusação, que você, em parágrafo seguinte não assume, ao dizer: “se realmente procede essas acusações dá para se ter idéia do comportamento do (acusado).” Ou seja, suposição. Não publico o comentário, porque o blog não pode ficar com o ônus da prova. Refaça seu texto. Obrigado.

  6. Anônimo

    28 de março de 2012 - 12:05 - 12:05
    Reply

    Quem já praticou jiu-jitsu sabe que não precisa força para quebrar um braço. Se a imobilização foi feita de forma correta e a jornalista começou a se debater, ela mesma causou a fratura. Vamos esperar a investigação e o relato das testemunhas para depois fazer um julgamento.

  7. Anônimo

    28 de março de 2012 - 12:03 - 12:03
    Reply

    Quem já praticou jiu-jitsu sabe que não precisa força para quebrar um braço. Se a imobilização foi feita de forma correta e a jornalista começou a se debater, ela mesma causou a fratura. Vamos esperar a investigação e o relato das testemunhas para depois fazer um julgamento.

  8. Antonio Carlos Pereira

    28 de março de 2012 - 11:51 - 11:51
    Reply

    O acontecimento tambem tem esse viés, caso fosse uma pessoa comum não teria tal repercussão. Em 28.03.12, Marabá-PA.

  9. Edson

    28 de março de 2012 - 11:41 - 11:41
    Reply

    Antes de condenar o policial, vamos verificar o que realmente aconteceu, pois a mesma estava em um bar, e esses repórter acha que são autoridade, e sabemos que não e bem assim, se o caso e para ferrar com o governador, ou com o prefeito, e outro problema, pois não acredito que o policial simplesmente quebrou o braço da mesma, estão dando muita importância a esse caso isoladamente, e o que acontece no dia-a-dia, não deveria dar a mesma repercução, quantas pessoas são prejudicadas pelos poderes e ninguém fala nada, querem assunto vai na Av. Antonio Maia, 07:00 da noite e vejam quantas familias tem lá esperando para serem atendidas no outro dia pelo famigerado, BOLSA FAMILIA

  10. Ernane Celso

    28 de março de 2012 - 11:21 - 11:21
    Reply

    Hiroshy,
    Seria bom perguntar ao Governador jatene e ao Secretario de Segurança Pública, porque eles nomearam e mantém no cargo um Delegado(Roberto Teixeira de Almeida), que respode a Processo na Justiça, por prática de Crime de Tortura e Roubo. Isso, não é um incentivo, aos outros Policiais, para que façam o mesmo.

    Um Abraço

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *