Candidata à seleção denuncia “peixaria” no Projovem Urbano

Publicado em 10 de outubro de 2013

 

Blog  recebeu denúncia de Francisca Silva, através de emeio, apontando  apadrinhamentos no processo de seleção do Projovem Urbano, em Marabá.

A denunciante diz que ela mesma foi vítima da falta de isonomia na avaliação seletiva do programa.

A seguir, íntegra do emeio:

 

 

Seleção do Projovem Urbano  vira uma verdadeira “peixaria”

A questão da corrupção no Brasil é muito mais profunda. Acredito que apenas uma pequena parte dos casos seja descoberta e venha a público. Imagino que grande parcela fique escondida nas entranhas públicas. Temos a corrupção política, a corrupção de servidores e de cidadãos desonestos. A corrupção sempre tem dois lados, um corrompendo e outro sendo corrompido.

É nítido que a máquina pública está comprometida. Desde criança escutamos falar sobre a tal da corrupção, agora vemos, todo dia, ao vivo e a cores na TV.

Na esfera política houve e há muito apadrinhamento para se obter a dita governabilidade. Não importa os interesses da sociedade, desde que os interesses pessoais e partidários sejam atendidos, com isso vem a briga pela distribuição de cargos públicos, comissionamentos e outras benesses. Isto ocorre em todos os níveis de governo (municipal, estadual e federal), afinal é preciso acomodar todos os camaradas, os companheiro, Best friend como vocês quiserem chamar.

A minha escrita hoje é para manifestar a minha insatisfação com aquilo que posso chamar de pseudo seleção –corrupção- que aconteceu no projeto do governo federal chamado projovem. Caro Hisroshi, o que aconteceu na seleção foi vergonhoso, participei da mesma achando que minha experiência e meu curriculum como professora a muitos anos  poderiam contar, mas fui totalmente enganada, aos poucos fui percebendo que o coleguismo, companheirismo foi falando mais alto e porque não dizer laços familiares, haja visto que a Sra Gelsivan – uma das coordenadoras do projovem colocou a própria filha pra participar da seleção, deixando de lado e eliminando profissionais que tinham mais de dois anos de experiência. Segundo a nossa constituição isso se caracteriza como trafico de influência e, coloca trafico nisso, pois a Srta Jessica Santos foi aprovada na seleção sem se quer ter terminado a sua graduação, ora o edital permite, mas veja só, se eu tenho um profissional com experiência porque chamar alguém que não tem experiência no programa??? No mínimo estranho isso. Essa situação que relato é pequena diante do que aconteceu nesses dias de seleção.

Hiroshi, creio que sua relação e influência como um jornalista serio pode nos ajudar com relação a isso, afim de evitar que situações desse tipo se repitam, gostaria que fosse feita uma sindicância a respeito dessa situação, pois irei no MP fazer uma denúncia. Temos que limpar a administração dos maus servidores públicos que mancham nossa imagem, afinal carregamos a pecha de sermos uma sociedade corrupta e precisamos mudar isso. Tenho certeza que o prefeito não concorda com esse tipo de situação, pois sempre visou uma administração transparente.

A situação pode, sim, ser mudada. Desde que você e eu nos manifestemos abertamente, pois nossa manifestação, quando multiplicada, gerará a necessária mudança da opinião pública sobre o assunto, pois por coisas menores em outros países o povo vai à rua o que estar nos faltando é isso; ver situações desse tipo e denunciar a fim de acabar com essa celeuma que vem preponderando dentro do serviço publico.

Certo de contar com sua ajuda, desde já lhe desejo votos de estima e gratidão.

Francisca Silva