Hiroshi Bogéa On line

Caminhos de Santa Bárbara

O poster conversou longamente com Armando Delidier, consultor do banqueiro Daniel Dantas, de passagem pelo Sul do Pará realizando tour pelas terras cada vez mais extensas do grupo Opportunity. Um dos objetivos da visita dele ao conglomerado agropecuário Santa Bárbara é o recolhimento de subsídios para um projeto extensivo de pecuária, em fase de elaboração, prevendo pesados investimentos no desenvolvimento da genética da raça nelore para abates mais precoces e mais rentáveis.

Armando Delidier conheceu o laboratório da SB montado no Pará, acompanhado de Rodolfo Rumpf, responsável pelos clones da Embrapa, orientador da montagem do centro de pesquisa. O consultor confirmou o que se comenta à boca miúda de que três conceituados executivos da empresa Lagoa da Serra, uma das principais centrais de inseminação do País, foram contratados por Daniel Dantas para cuidar da gestão de setores estratégicos da Santa Bárbara. A ordem é transformar o complexo em referencia mundial de altíssima tecnologia. “Dinheiro para isso, têm”, expressou Delidier. Aos montes.

À preocupação demonstrada pelo blogger de que a compra desenfreada de fazendas no Sul/Sudeste do Pará pode expor a região aos humores de um monopólio perigoso, controlando o mercado e fechando muitas atividades atualmente estimuladas pelo grande número de médios e pequenos fazendeiros – potenciais clientes de lojas de produtos agropecuários e afins -, o economista considera essa leitura improcedente.

O grupo Santa Bárbara não tem interesse em caminhar por essa estrada, até porque a idéia fecha oportunidades de competição tão importante nas grandes transações que visam o mercado de ações, objetivo maior do projeto de Daniel Dantas”, reagiu. Ou seja, o foco é mesmo superar um milhão de cabeças de gado para a formação de uma empresa de capital aberto na bolsa de valores.

O Opportunity, garante o consultor, não comprou até agora nenhuma propriedade de médio ou pequeno porte. Para checar a informação, sugeriu, basta consultar o Iterpa (Instituto de Terras do Pará) no sentido de ver se houve alguma solicitação de informação a respeito da origem de certidões falsas. “ Só queremos propriedade limpa, de primeira linha, com toda a documentação legal”

Revelação interessante do consultor: Daniel Dantas não entende bulhufas de gado, e se veio ao Pará mais de duas fezes, bateu recorde.

————–

atualização às 15:00, dia 24/05:

Onde se lê “se veio ao Pará mais de duas fezes“, leia-se mais de duas vezes.

Post de 

4 Comentários

  1. Anonymous

    25 de maio de 2008 - 14:53 - 14:53
    Reply

    É DINHEIRO DE GENTE DO PT? NÃO ESQUENTA NINGUÉM MEXE COM ELES, NINGUÉM SABE E NINGUÉM VIU. PODE COMPRAR O QUE QUISER TRANQUILO, POIS O LULINHA AGRADEÇE.

  2. Hiroshi Bogéa

    24 de maio de 2008 - 19:58 - 19:58
    Reply

    2:33 PM, Maio 24, não deixa de ser ótimo o erro de digitação. Rs
    Somente agora, com sua advertencia, dei conta da falha. Esta semana o blog foi atualizado asssim meio quase parando.
    Um abraço, parceiro. Bom final de semana.

  3. Anonymous

    24 de maio de 2008 - 17:33 - 17:33
    Reply

    “… duas fezes…” é ótimo, em que pese o equívoco do digitador.
    É bom lembrar que Daniel Dantas, banqueiro, foi o caixa-dois de de Fernando Henrique Cardoso.
    O velho Marx alertava que o imperialismo, a última fase do capitalismo, se carcaterizava pelo domínio do capital financeiro…
    É isso aí, Hiroshi, e nada mais que isso…

  4. Anonymous

    23 de maio de 2008 - 22:33 - 22:33
    Reply

    escreveste certo por linhas torca, meu caro… de fato o DD veio aqui fazer umas duas fezes!!

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *