Cadastro de famílias atingidas pelas enchentes em Marabá continua sendo feito

Técnicos da Defesa Civil Estadual continuam o cadastramento das famílias atingidas pelas enchentes do Rio Tocantins, em Marabá, sudeste paraense, para receberem o auxílio do Programa “Recomeçar”, oferecido em caráter emergencial pelo Governo do Pará. Será repassado a cada família em situação de vulnerabilidade o valor de um salário mínimo vigente em 2022 (R$ 1.212,00). Nesta segunda-feira (17), as equipes realizam a triagem nos abrigos de famílias desabrigadas e as encaminham para realizar o cadastro na sala do gabinete de crise, montado no Centro Regional de Governo do Sudeste, no horário de 8h às 17h.

“Hoje estamos fazendo cadastro de todos que já estão nos abrigos da prefeitura. Nosso trabalho é pegar esse moradores, trazer ao Centro Integrado, fazer o cadastro e, sem seguida, retornamos com eles. Nós orientamos para que as famílias não venham até o Centro, nós estamos fazendo esse deslocamento por meio de uma relação que já temos. Todos serão cadastrados, antes estávamos indo até o local, mas a dinâmica mudou para oferecer mais conforto às famílias e facilitar o nosso trabalho”, explica o major Jânio Costa, chefe de operações da Defesa Civil do Estado. Posteriormente, o mesmo trabalho será realizado com os desalojados.

As primeiras famílias cadastradas pela Defeca Civil do Estado foram do abrigo São Félix, montado pela Prefeitura de Marabá. Nesta segunda-feira (17), serão cadastradas as famílias dos abrigos 5 de Abril, Amapá e Kolping.

O ajudante de pedreiro Antônio José da Silva, de 48 anos, foi uma pessoas cadastradas hoje. Ele teve a casa tomada pelas águas do Rio Tocantins na última semana na rua Santa Luzia. “Minha casa alagou toda, acabou com tudo, perdi tudo, só escaparam umas cadeiras e umas redes. Fiquei bastante triste com tudo isso. Agora estou em um abrigo e nem tinha onde dormir. Essa ajuda veio na hora certa, obrigado governador Helder por esse auxílio, obrigado por você estar ajudando nós todos”, contou ele, emocionado.

A autônoma Raimunda Souza da Silva, de 41 anos, também foi encaminhada para o abrigo Amapá depois que a casa dela foi atingida pelas enchentes. “Tivemos que sair de casa porque a água já chegou na nossa cintura, então começaram a fazer a nossa mudança para o abrigo, muitas famílias perderem muitas coisas, mas ao mesmo tempo estamos com saúde e nada aconteceu com a gente, agora é recomeçar. Essa ajuda do governador é bem-vinda porque vai ajudar a suprir algumas coisas perdidas, então não só eu, como muitas famílias agradecem a ele”, disse ela.

Auxílio financeiro – O Programa “Recomeçar” concede em situações emergenciais auxílio financeiro em parcela única a famílias em situação de vulnerabilidade social. De acordo com o decreto do governo do Estado, o programa vai atender vítimas de calamidade pública ocorrida no primeiro semestre de 2022, e em situação de emergência ocasionada pelas fortes chuvas, deslizamentos, inundações, enxurradas e alagamentos. O objetivo do governo é oferecer às famílias um valor que possa ser utilizado na reconstrução dos imóveis danificados pelas águas.

Para ter acesso ao benefício, a família deve ter renda mensal de até três salários mínimos e residir em imóvel atingido diretamente pelas fortes chuvas, de forma grave.

Reforços – O Governo do Pará já encaminhou três caminhões de donativos para Marabá, que chegaram no último domingo (16). São colchões, kits de higiene e limpeza, e cestas de alimentos, que serão entregues as 2.269 famílias – 527 desabrigadas, 1.061 desalojadas, 346 ilhadas e 335 ribeirinhos – atingidas pelas cheias do Rio Tocantins. Homens da Polícia Militar do Pará também dão apoio às ações. Na tarde desta segunda-feira, o Governo do Pará deve receber novas doações de donativos de empresas como a Vale e Hydro.

As enchentes já deixaram oito municípios em situação de emergência.  Além de Marabá, Aveiro, Rurópolis, São João do Araguaia, Itupiranga, Pau D’Arco, Bom Jesus do Tocantins e Trairão foram afetados por chuvas intensas, alagamentos e inundações. Em Marabá, todas as ações são realizadas em parceria com a prefeitura.

“O Governador Helder Barbalho determinou que toda estrutura do Estado esteja disponível para população de Marabá, então estamos concentrado todos os órgãos de Governo na Secretaria Regional para articular as ações. Nós estamos trabalhando no sentido de minimizar o sofrimento dessas pessoas, hoje cerca de 2.500 famílias já foram atingidas e o rio continua a crescer, mas o Governo vai dar toda a assistência para essas famílias”, frisou o Secretário Regional de Governo do Sul e Sudeste do Pará, João Chamon Neto.