Bispo José Foralosso passa por novos exames

Publicado em 9 de junho de 2012

 

 

Nesta tarde de sábado, 9, a junta médica que atende o bispo da Prelazia de Marabá, José Foralosso,  realiza   exames minuciosos  para decidir pela redução da dosagem de medicamentos que mantém o sacerdote em coma induzido, após 48 horas da cirurgia de emergência a qual foi submetido, depois de sofrer um AVC quando celebrava culto religioso numa igreja da Folha 13, Núcleo Nova Marabá.

Apesar do estado grave de dom José,  alguns sacerdotes que o acompanham no dia a dia hospitalar passaram a nutrir esperanças de que o bispo deverá se recuperar, sem que haja qualquer manifestação, ainda, nesse sentido, dos médicos do Hospital Regional.

Em toda a cidade, prosperam correntes de orações celebradas por católicos e pessoas  de outras religiões, além de manifestações de fé anunciadas em diversos municípios do Sul e Sudeste do Pará – todos unidos pelo pronto restabelecimento da saúde de Foralosso.

 

———————

 

  “Quando eu morrer, gostaria de ser enterrado em Marabá”

 

Durante entrevista concedida a Hiroshi Bogéa, para o programa “Fatos Relevantes”  que  o pôster  apresentava na TV Eldorado (SBT), dom José Foralosso fez, àquela época, surpreendente revelação,  quando abordava temas referentes as demandas do município, ao declarar que gostaria de ser enterrado em Marabá.

Naquele ano, 2006,  o bispo manifestava esse desejo de público  pela primeira vez, anunciando disposição para registrá-lo em testamento.

Logicamente, não será dessa vez, depois de sofrer o AVC, que o sacerdote terá seu pedido atendido, já que a expectativa geral é de total  restabelecimento  de sua saúde.

Dom José é uma das personalidades mais marcantes da Igreja Católica brasileira, com forte presença nas discussões da CNBB.

Nascido na Itália, Foralosso  é  homem  culto -, profundo conhecedor de teologia, da Igreja e da Palavra.

Na longa entrevista de 45 minutos, o padre não refugou nenhuma pergunta, demonstrando seu preparo ao aprofundar-se na história da Igreja, principalmente em cima de temas como  a escravidão de negros e índios, prostituição infantil e outros assuntos que a maioria  de sacerdotes católicos evita discutir.

Considerado pelo Papa Bento  XVI o ano da fé pelo que representa outubro de 2012, quando será comemorado os 50 anos do Concílio Vaticano II,  dom José sofre um acidente de grave proporção, deixando o mundo católico preocupado e milhares de fieis orando pela sua recuperação.

E o cinquentenário Concílio Vaticano II mereceu dissertação de Foralosso, ao ser questionado, àquela época,  por Hiroshi Bogéa, se a Igreja não está precisando de outra reforma, ao que o bispo respondeu:  – “A humanidade é quem precisa de uma profunda reforma, e não a Igreja”.

Também mandou ver  em temas como  prostituição infantil, a polêmica em torno da visão de alguns estudiosos  de que Jesus foi mais um revolucionário do que emissário divino.

Também respondeu à pergunta  sobre o que separa a Igreja Católica do Kardecismo, discorrendo a respeito da filosofia de Alan Kardec.

A disputa entre Católicos e Evangélicos.

O depoimento de José Foralosso é um mergulho ao conhecimento.

Sem jamais alterar a voz, o bispo revelou-se por inteiro a figura conciliadora que vem comandando o crescimento da Igreja Católica no Sul do Pará de forma surpreendente. Em dez anos, o  rebanho aumentou através de árduo trabalho em todos os rincões da região, construindo igrejas,  e estruturando com recursos humanos a sua prelazia.

O blog faz questão de postar a entrevista, neste final de semana, para que os nossos leitores tenham  conhecimento da profundidade cultural de um padre que veio da Itália dedicar parte de sua vida aos irmãos paraenses, comandando a  sua prelazia com equilíbrio e competência nas  transformações pelas quais a Igreja Católica precisa trilhar.

Para facilitar a reprodução do depoimento, o dividimos em sete vídeos, cuja reprodução pode ser feita aleatoriamente, sem seguir a sequencia numérica sugerida na postagem.

Bom proveito.

A fala do Nazareno, varrendo, como febre, a Palestina

Mais do que formar uma Igreja, Jesus não imaginava criar uma comunidade em moldes inéditos?

O que separa a Igreja Católica do pensamento Kardecista?

O Brasil, país mais católico do mundo, vem perdendo fieis para as igrejas Evangélicas. Qual a causa disso?

O ensino religioso nas escolas brasileiras

Invasões urbanas, moradias indígnas, prostituição infantil: a Igreja ao lado dos mais fracos

“Quando eu morrer, quero ser enterrado em Marabá”