Hiroshi Bogéa On line

Bertin produz cadáver

O poderoso frigorífico Bertin não faz mesmo o dever de casa. Ou então, por falta de gado no mercado, pretende “industrializar” seus trabalhadores para venda em latas.

Em uma unidade industrial do grupo localizada em Eldorado do Carajás, um trabalhador morreu vítima de segurança no trabalho.

A reação da população foi a pior possível: interdição da rodovia PA-150 e manifestações outras pela cidade.

E vai ficar por isso mesmo.

Quem aposta?

Post de 

5 Comentários

  1. Anonymous

    19 de agosto de 2008 - 18:02 - 18:02
    Reply

    Prezado Hiroshi

    Parece-me que esta Empresa recebeu um volume muito significativo de recursos do Banco Mundial para se adequar com relação as questões ambientais de seus fornecedores de gado, o que será que esta sendo feito para o Município de Marabá?

  2. Zé Dudu

    18 de agosto de 2008 - 22:19 - 22:19
    Reply

    Não concordo com a posição do anônimo das 11:56. Tem que se cobrar sim dos vereadores uma maior fiscalização nas aprovações dessas e de outras empresas que se instalarão em Marabá, uma cidade que pulsa a cada dia mais forte e que receberá centenas de investimentos nos próximos anos. Ficar inerte aos avanços por simplesmente não se agradar da fragância do curtume? Deixar de se instalar uma indústria que gerará milhares de empregos diretos e indiretos? Cobre da Câmara Municipal um maior rigor nas concessões de licenças e busque uma atitude que minimize o odor provocado. Isso sim seria uma atitude coerente. Radicalismo ás vezes traz prejuízos enormes. Tudo precisa ser muito bem planejado para que no futuro não se reclame, ou da maneira como foi feito ou por não ter sido feito.

  3. Anonymous

    16 de agosto de 2008 - 14:56 - 14:56
    Reply

    Nao sou empregado ou amigo de alguem da Bertin,mas posso afirmar que gracas a este empreendimento nao temos nas ruas um numero maior de desempregados aumentando a violencia existente.
    Segundo informacoes trabalham neste empreendimento mais de 1000 pessoas diretamente e cerca de 4000indiretos (em Marabá) significando que cerca de 20.000 pessoas vivem deste empreendimento.
    Acidentes ocorrem e podem ser evitados e este nao foi o primeiro nem será o ultimo.
    Nao podemos atirar pedras e nem atraves de posicoes radicais atacar e afastar de nossa regiao sob pena de voltar-mos ao extrativismo que gera muito mais acidentes.

  4. Anonymous

    15 de agosto de 2008 - 02:54 - 2:54
    Reply

    Ainda vai se ver falar muito desse mostrengo, eles estão implantando um curtume, como todos sabem é sinal de poluição completa dos nossos rios e o mau cheiro vai tomar conta de Marabá.
    Mas pelo visto~, não existe vereador ou vereadora sérios nessa cidade, pois se houvesse estariam denunciando e embargando esse crime.
    Mas que nada, estão mais interessados e em ganhar dinheiro e se reelegerem.
    Afinal, alguem pode me explicar de que serve para a nossa cidade esse Matadouro, a não ser para exportar a carne dos nossos bois, deixa ICMS ? quanto? quantos bons empregos gera, ou é só escravos assalariados?
    Tá na hora de pensarmos grande, pensarmos como um municipio importânte que não aceita apenas ser explorado.

  5. Anonymous

    14 de agosto de 2008 - 13:33 - 13:33
    Reply

    acho que o trabalhador foi vítima da insegurança no trabalho hiro…

    RSF

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *