“Barracão”, de frente pro rio, acolhe lembranças; e se tranforma no melhor boteco

Publicado em 30 de março de 2014

 

Barracão - O Boteco 4

Quem reclamava a falta de barzinho temático na orla de Marabá, agora não tem motivo para lamentações. O Barracão – Papo de Boteco, agora é a nossa praia. Não importa se no inverno ou verão.

O Barracão – Papo de Boteco, é um revival.

Uma recuperação, um retorno, um fazer reviver de forma nova e diferente algo que está distante. Não muito distante, mas geralmente distante.

E de frente pro rio, como ficavam todos os barracões à beira do Tocantins. À beira de nosso rio, que foi a nossa estrada, por muitos anos, embarques de vidas, na memória e nos registros da gente, de gente simples e resolvida. Este Barracão, reencontrado, é o nosso papo de boteco.

Barracão - O Boteco 1

Como revival, o Barracão – Papo de Boteco, aciona o motor sentimental, provocando reflexões, regenerando o passado, numa relação real entre o que foi e o que é.

Um jeito cultural de lembrar nossos barracões de castanha, o paneiro, saco encauchado , pás,cofos, de onde exalavam cheiro de cupuaçus, trazidos da mata, sobre a castanha espraiada no barco.

À beira do Tocantins, o Barracão nos espera, cheio de histórias & estórias.

Barracão - O Boteco 2

No Barracão, eu boteco, tu botecas.

Papo de Boteco. Papo de esquina, papo de beira de rio.

Conversa de ribanceiras, ao sabor da brisa do rio.

Barracão - O Boteco 3

 

Neste barracão, no tempo dos castanhais, o rio e a pequena cidade, inventando verdades, dançando na boca da noite.

Noites em que o céu era de verdade.

Bastava olhar, as estrelas chamando pra cima a atenção, descendo clarão.

À beira do rio, que trazia botos sedutores de mocinhas, o candiru que elas temiam. A buiuna e o “nego-d´água”, emergendo do rio, nas noites de lua.

Leva sonhos e ilusões, afoga algumas. Mas ficam lembranças, agora revividas nas mesas do Barracão – papo de boteco.

Barracão - O Boteco 5