Balançando o pau da barraca

Uma intervenção do empresário Demétrius Ribeiro provocou treme-treme nas imediações da mesa diretora dos trabalhos do I Simpósio Pró-Criação dos Estados do Pará e do Tapajós.
O destempero começou depois que o presidente da Câmara Municipal, Miguelito Gomes, criticou o distanciamento dos empresários de Marabá em relação ao movimento divisionista, “temerosos de que seus negócios pontuais sejam afetados por ações do governo estadual”.
As criticas se tornaram mais duras a partir do momento em que a deputada estadual Bernadete Caten (PT) responsabilizou os empresários locais de se preocuparem tão-somente em desenvolver investimentos voltados à concentração de renda sem vínculos sociais.
Demétrius Ribeiro que se encontrava compondo a mesa como suplente de senador, após os dois discursos, pediu a palavra e escureceu o tempo ao defender o empresariado. Reagiu usando expressões que atingiram em cheio a classe política, da qual ele faz parte também. Não se conteve e endereçou petardos contra a administração de Sebastião Miranda, acusando-o de não mover uma palha em defesa do setor guseiro – além de deixar ao relento o Distrito Industrial. “Se não fosse os empresários, esse distrito já teria fechado por desleixo da gestão pública”. Na mesa, Tião Miranda a tudo ouvia sem mover um músculo do rosto.
Quando se dirigia ao local onde estava sentado, depois do desabafo, Demétrius foi recebido ainda no palco pelo prefeito de Marabá de dedo em riste.

– O teu problema comigo parece ser pessoal. Então vamos lá pra fora que ti ensinarei como se resolve isso, reagiu enérgico Sebastião Miranda, que quando perde a calma não costuma levar desaforos para seus aposentos. O caldo só não entornou de vez por causa da intervenção providencial dos demais participantes do centro de trabalhos.