Hiroshi Bogéa On line

"Avenida Paulista de Marabá"

Press release da prefeitura de Marabá conta que Tião Miranda está com projeto pronto de reurbanização da VP-8 (avenida mais importante da cidade) tendo como novidades um calçadão no canteiro central, passarelas estratégicas para pedestres; ajardinamento e plantas de mudas; iluminação a vapor de sódio e drenagem.
Provincianamente já apelidada pela assessoria de “Avenida Paulista de Marabá”, lendo a nota, o blog sentiu falta da obra mais importante em sua repaginagem: o alargamento das duas pistas. Sem esse serviço, o poder público estará torrando dinheiro já que o Tião sabe muito bem da magnitude da VP-8 como espaço urbano de atração de negócios. Hoje, em determinado trecho dela, principalmente no horário do rush, a avenida é um inferno.
Não é engraçado engabelar a fé pública passando cosméticos pra inglês ver. É preciso dar conforto aos motoristas, usuários de ônibus, ciclistas e aos pedestres que transitam pela VP, e esse conforto chegará ali somente através do alargamento das pistas, com pavimentação e sinalização. O resto é perfumaria.

Post de 

4 Comentários

  1. hiroshi

    30 de abril de 2007 - 18:26 - 18:26
    Reply

    Olá, grande Giusti, bem vindo a blogosfera. Quanto mais, de qualidade sempre, melhor. E com você no mancho, todos ganhamos. Vai firme, doutor.
    Abs

  2. RONALDO GIUSTI

    29 de abril de 2007 - 22:59 - 22:59
    Reply

    Caro Hiroshi,

    Não recebi o e-mail que me mandaste. Se for possível repeti-lo, faça-o.
    Agora também sou blogueiro, juntando-me a ti e ao Pagão.
    Meu endereço: http://www.blogdogiusti.blogspot.com
    Um grande abraço

  3. Quaradouro

    28 de abril de 2007 - 12:50 - 12:50
    Reply

    Experimente ir ver de perto (a pé, porque de carro o senhor não passa) a situação em que se encontra a via que vai da Folha 15 às ruínas que chamam de Portobras. São cerca de dois quilômetros de lama, buraco, desfaçatez. Ao longo do caminho, vilas residenciais civis e militares, um quartel do exército, empresas de material de construção, uma área de lazer, um bairro inteiro chamado Santa Rita.
    Lá onde principia o bairro de Santa Rosa, à margem do Tocantins, prossegue o descalabro: o cais de arrimo jamais concluído e nunca convenientemente esclarecido, está afundando ao peso de obras sem qualidade.
    A propósito, acaba de passar em minha casa, nesta manhã de sábado, um cidadão procurando informar-se de pessoas com deficiências especiais de audição e fala – os surdos-mudos. Aconselhei-o a procurar Tião Miranda,aquele que não ouve ninguém nem fala com ninguém

  4. Anonymous

    27 de abril de 2007 - 18:06 - 18:06
    Reply

    Ta com cara de mais uma lambança às custas do contribuinte… Que tanto espera obras sem muita pompa, mas com praticidade e objetividade. Mas esperar o que da “Turma”.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *