Atendimento ao migrante

Publicado em 9 de julho de 2010

Chega em boa hora, o Centro de Atendimento ao Migrante (CAM), anunciado pela secretária de Assistência Social, Edileusa Magalhães (foto), em parceria com a mineradora Vale.

Informa a Secom, o CAM já vem sendo  desenvolvido pela Vale “em locais onde estão instalados os grandes projetos da mineradora, como é o caso de Paragominas, no nordeste do Pará, conferindo a triagem de quem chega a cidade, para saber qual o objetivo da pessoa, se veio a negócios, passeio ou em busca de emprego”.

“Com base nesse diagnóstico”, prossegue a Secom, “a Secretaria de Assistência Social (Seasp) terá o perfil socioeconômico de quem chega à cidade”.

Edileusa Magalhães também adianta que, na  triagem, “se a pessoa vier em busca de emprego e não tiver qualificação, a equipe do CAM já encaminha a pessoa para Serviço Nacional de Emprego (Sine). Lá ela vai passar por uma qualificação, para poder se candidatar a uma vaga no mercado de trabalho”.

Se a pessoa tiver qualificação, mas ainda não tem emprego garantido, também será encaminhada ao Sine.

Diz Edileusa que a equipe do projeto acompanhará a permanência dessa pessoa na cidade. “Caso não consiga emprego, será dado a ela as condições para voltar para a cidade de onde veio ou para outros locais, caso seja esse o seu desejo. Com isso, vamos evitar que as pessoas cheguem à cidade e fiquem totalmente desamparadas, caso não consigam emprego, indo, muitas vezes, morar nas ruas, aumentando os bolsões de pobreza do município”.

Completa a Secom:

Equipe do projeto será formada por 18 pessoas, que vão passar por um treinamento, para fazer a triagem. Elas vão ficar fazendo esse trabalho nas rodoviárias e na Estação Ferroviária. Segundo Edileusa, se a pessoa vier tentar um emprego na Siderúrgica Aços Laminados do Pará (Alpa), será encaminhada para a empresa, caso contrário, será para o Sine.