Hiroshi Bogéa On line

Asdrubal nega desentendimento com Jader

 

 

– Não ocorreu nenhum estremecimento na minha amizade com o Jader. Meu encontro com ele, como sempre ocorre em situações idênticas, foi cordial e sem nenhum percalço. Logicamente, ele tentou me convencer a permanecer na secretaria de Pesca, mas aceitou minha argumentação de que meu lugar é na Câmara Federal.

 

 

Expressão é do deputado federal Asdrubal Bentes (PMDB, negando que tenha havido discussão acalorada entre ele e o ex-deputado Jader Barbalho.

Em Brasília, Asdrubal marca plantão, aguardando o julgamento do processo que apura oferta de cirurgias de laqueaduras supostamente patrocinadas pelo parlamentar, marcado para quinta-feira.

Ao mesmo tempo, AB providencia apartamento para fixar residência, a partir do momento em reassumir cadeira na CF.

Post de 

8 Comentários

  1. anônimo

    17 de agosto de 2011 - 15:09 - 15:09
    Reply

    A alça, a mala e a cueca.

    Indumentárias que não podem faltar no guarda-roupa dos nossos políticos, em regra.

    O Paulo Maluf, mesmo tratando-se de uma conta bancária saturada de dólares, ao ser indagado se era sua, NEGOU:
    – NÃO É MINHA! e, se for verdade, pode ficar com quem rastreou a conta. É do povo.

  2. Kpnup

    17 de agosto de 2011 - 11:26 - 11:26
    Reply

    16/08/2011 – 13h04 Tamanho do texto
    Asdrubal Bentes será julgado por trocar cirurgias por votos

    Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) vão apreciar na próxima quinta-feira um processo (inquérito nº 2197) que pode levar à prisão o deputado federal licenciado Asdrubal Bentes, do PMDB, aliado do ex-deputado Jader Barbalho. Asdrubal é o atual secretário de Pesca e Aquicultura do Governo Simão Jatene. Ele é acusado de ter oferecido cirurgias de laqueadura de trompas (cirurgia para impedir gravidez) em troca de votos nas eleições municipais de 2004, ocasião em que concorreu à Prefeitura de Marabá.

    O Ministério Público Eleitoral pede a condenação dele por corrupção eleitoral, formação de quadrilha, estelionato e esterilização cirúrgica em desacordo com a legislação. O MPF parte do depoimento de 13 mulheres que fizeram laqueadura no Hospital Santa Terezinha, entre janeiro e março de 2004. As investigações descobriram que a mulher e a enteada de Asdrubal, por meio do PMDB Mulher da cidade, teriam recrutado as eleitoras para passar pelas cirurgias, mediante fraude ao SUS. Elas não teriam passado pelos procedimentos pré-cirúrgicos para comprovar a
    necessidade da operação.

    Dois médicos, um deles genro do deputado, teriam fraudado laudos para conseguir as cirurgias por meio do SUS. Além disso, o hospital não tinha autorização para realizar a laqueadura pelo SUS.

    Procurado por O LIBERAL, o deputado se defendeu das acusações. “Eu confio na justiça. Estou com a consciência tranquila, porque não cometi os delitos que estou sendo acusado’, disse.

    Um dos argumentos da defesa do peemedebista é que os fatos denunciados teriam ocorrido no período de janeiro a março, portanto, antes do período de registro das candidaturas, que começou em julho. Os advogados de Asdrubal Bentes também sustentam que não há provas de abordagem direta dele às eleitoras, o que seria necessário para a configuração de crime eleitoral.

    Em alguns depoimentos, as mulheres que passaram pela laqueadura disseram que receberam orientações de outras pessoas para que votassem nele. Outro ponto questionado é sobre o encaminhamento das eleitoras ao hospital. Segundo a defesa, o PMDB Mulher desempenhava a ‘função social’ de encaminhar pessoas para consultas em hospitais particulares, sem que houvesse recomendação de cirurgia.

    ‘Nenhum pedido de consultas dizia expressamente para fazer laqueadura. Se o médico achou, depois da consulta, que tinha que fazer a laqueadura, aí já é responsabilidade do médico’, defende-se o deputado. O processo tem como relator o ministro Dias Toffoli. Asdrubal é defendido pelo advogado
    Inocêncio Mártires Coelho.

    Fonte: O Liberal

  3. Claudio Pinheiro Filho

    17 de agosto de 2011 - 08:45 - 8:45
    Reply

    Só uma correção, a alça foi no governo do Almir Gabriel. E para que não achem que sou contra ou a favor de algum partido ou político. O que dizer do escândalo do empréstimo feito pelo último governo do Estado.
    Pensar assim é ser adepto à teoria do caos. Eu espero mais, desejo mais, e não jogo a classe política toda na vala comum. Como em qualquer lugar, existem os competentes e os incompetentes. Carajás Já!!

  4. Claudio Pinheiro Filho

    17 de agosto de 2011 - 08:34 - 8:34
    Reply

    Karla, se nós somos cegos, você não possui nenhum dos cinco sentidos. Pare de ficar escrevendo besteira.
    Mesmo sem gostar de citar nomes, sou obrigado a fazê-lo. O excelente governo do Simão Jatene superfaturou inúmeras obras, inclusive as inacabadas ou estapafúrdias, alça viária e centro de convenções. Onde houve derramamento de dinheiro público, bem acima do previsto, e nem sequer concluíram, ou executaram de forma bisonha tais empreendimentos – caso da alça.
    Quantidade não é certeza de qualidade em lugar nenhum. Passaram-se 7 meses, e o que diabos o Governo do Estado fez até o momento? Faça uma autocrítica, abra seus olhos.
    A gestão é falha em todo o Brasil. Ninguém, absolutamente ninguém, tem a certeza de como será o vindouro estado do Carajás ou do Tapajós – eu acredito piamente que será melhor. Contudo, uma certeza temos, o Estado do Pará é inadministrável politicamente. Disso nós temos a prova, ou você está satisfeita com o lugar onde mora? Pior, vá aos territórios mais remotos da sua região e veja a precariedade. Direitos e deveres são para todos. A Democracia nos permite isso.
    Bons ou maus políticos dependem do nosso voto. Não tenha raiva ou ódio dos que querem o desmembramento. Por mais absurdo que pareça, todo anseio político nasce do próprio povo. Ninguém sentou em uma mesa de bar há 30 anos- esse é o tempo em que se luta para a formação do estado do Carajás- e disse: vamos criar um estado, eu serei o Deputado, você o Governador e eu o Senador. Pensar assim é sandice.
    As coisas vão de mal a pior. Não temos escolas, hospitais, infraestrutura, e muito menos segurança. Essa é a verdade.
    Será melhor, acredite em mim. Serão três corações em um só corpo. Não estamos em guerra civil. Tenho vários parentes em Belém- a maioria por sinal. Terei sempre um apreço grandioso pela cidade onde me formei e vivi os melhores anos da minha vida. Ponto.
    Mas o desmembramento é inevitável. Será melhor para nós, para vocês e para o novo Pará.
    Termino com um dito popular- notei que você gosta. “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”.
    Abraço.

  5. Carlos

    17 de agosto de 2011 - 00:39 - 0:39
    Reply

    Karla, pergunte ao excelente Governador Simão Jatene. “rsrs”

  6. Karla Muaés

    16 de agosto de 2011 - 19:38 - 19:38
    Reply

    Muito bem comentado Sr. Jorge Taiguara! O Sr. está coberto de razão! Pena que suas argumentaçoes caiam em terrenos inférteis e infestados de cegos e moucos!
    Aquele deputado, está voltando pra Brasilia, NÃO pra trabalhar pelo nosso desenvolvimento e sim, pra garantir foro privilegiado no seu julgamento semana que vem. E ainda querem que este Sr .seja senador e quem sabe Governador de Carajás. Os Srs. merecem! rs rs rs rs
    Faz bem o Sr. Duda Mendonça em determinar o afastamento de politicos da frente pró-Carajas (cruz credo). O todo poderoso marketeiro estará melhor apoiado nos milionarios empresarios forasteiros. Será que foi porisso que estão fritando o Sr Luciano Guedes, (prefeito de Pau D´arco)do comitê Pró Carajas? (Segundo blog Sul do Pará)
    Ainda tem muita briga vindo por ai! Calma Srs. quem planta tempestade NÃo vai colher coisa boa!
    O problema é que , enquanto ele brigam, nossos projetos não andam. Vamos nos unir e cobrar verbas parlamentares .
    O problema NÃO é divisão e sim Gestão. Ate quando permaneceremos mal representados? Não basta aumentar a representativade la em Brasilia. No nosso caso, quantidade não é certeza de qualidade.
    Aliás …..alguém pode me informar sobre as providencias tomadas por aquele deputado enquanto titular na secretaria de pesca?
    Boa noite!

  7. Jorge Taiguara

    16 de agosto de 2011 - 10:27 - 10:27
    Reply

    Realmente o Deputado Asdrúbal Bentes, deve se apressar em retomar seu mandado, pois na próxima semana segundo o noticiário da mídia, seu processo por crime eleitoral, entra em pauta no STF.
    Ele é um dos que são favoráveis a divisão do estado, é lamentável que nossos representantes, ao invés de estarem produzindo, lutando por mais verbas para que se implementem ações em favor do povo, tenham que usar o mandato para se defender de processos.
    É essa gente que se diz preocupada, com desenvolvimento do estado, com a qualidade de habitação, saneamento, saúde, transporte, segurança de nosso povo.
    Vamos acordar enquanto é tempo, com essa gente no poder tenho certeza que muita coisa vai melhorar sim, mas pra eles, pros mesmos, como sempre tem sido ao longo de décadas.
    Para essa gente as coisas nunca estão ruim, todos tem sempre fontes de renda bancadas pelo erário público.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *