Hiroshi Bogéa On line

Asdrubal condenado pelo STF em regime aberto

O STF acatou denúncia na ação movida pelo MPF contra o deputado federal Asdrubal Bentes (PMDB), condenando-o a pena de três anos e um mês em regime aberto, convertendo essa condenação em pena pecuniária de 100 salários mínimos e aplicando o artigo 55, inciso 6º da Constituição Federal.

O cumprimento da pena em regime aberta será ainda disciplinado.

A perda do mandato e consequente perda dos direitos políticos do parlamentar por igual período da pena, deverá ser decidida agora pela Câmara Federal.

A denúncia do Ministério Público Federal narrou que entre os meses de janeiro e março de 2004, período que antecedeu as eleições municipais, Asdrubal Bentes,  com o auxílio de sua companheira e de sua enteada, teria utilizado da fundação “PMDB Mulher” para recrutar eleitoras mediante a promessa de fornecer gratuitamente a realização de cirurgias de laqueadura tubária. O procurador-geral da República reafirmou os termos da denúncia anteriormente apresentada e argumentou que embora o político não aparecesse diretamente nas ações de recrutamento, ele coordenava toda a ação por meio do escritório do PMDB Mulher.

A defesa do parlamentar afirmou que não há crime por não haver provas da prática de corrupção eleitoral, e que o crime apenas pode ocorrer no período que segue entre a data do registro da candidatura e o dia da eleição.

———————

Atualização às 22:00

Matéria completa sobre o julgamento de Asdrubal no site do STF.

 

Post de 

15 Comentários

  1. Antonio Servulo Malcher Neto

    16 de novembro de 2011 - 15:43 - 15:43
    Reply

    Mesmo assim ele quer dividir o Pará.

  2. patrcio castro

    10 de setembro de 2011 - 06:35 - 6:35
    Reply

    olha isso so aconteceu por que ele bateu de cara com o jader

  3. anonimo

    10 de setembro de 2011 - 02:23 - 2:23
    Reply

    Dejalma Guerra quem és tu pra falar mal da justiça? tu que foste um verdadeiro capitão do mato demtro da cosipar lar pelos anos noventa, vindo do Rio de Janeiro e achando que todo mundo aque era indio, cuidado barbudim o teu passado te condena, que dira a justiça.

  4. Cavalcante

    9 de setembro de 2011 - 21:19 - 21:19
    Reply

    Lá na minha terra, no Rio Grande do Norte, quem não é cavalcante é cavalgado. Esse cavalcante daqui é beócio. Um cavalgado.

  5. Luis Sergio Anders Cavalcante

    9 de setembro de 2011 - 15:35 - 15:35
    Reply

    Quem tem telhado de vidro não deveria jogar pedra no do outro. As contas de Tião estão engavetadas no TCM em Belém e, embora o Jatene(PSDB) seja seu aliado, uma hora essa contas poderão ser julgadas e então………Em 09.09.11, Marab[á-PA.

  6. desconhecido

    9 de setembro de 2011 - 10:37 - 10:37
    Reply

    meu caro esses fatos a sociedade precisa saber afinal os politicos ao longo da vida politica utilizam trunfos para fazerem suas falcatruas, isso é uma vergonha. cuidado ambos são cobra criada

  7. João Dias

    9 de setembro de 2011 - 09:09 - 9:09
    Reply

    Xeque-mate

    Uma jogada de mestre.
    Prevendo a decisão desfavorável que poderia lhe acontecer e, aconteceu, no julgamento pelo STF, em que era acusado de crime eleitoral, o expoente máximo da política sudeste parense não se fez inocente e, protegido pelo manto da imunidade parlamentar (diga-se impunidade), retornou à Câmara Federal, com certeza por acreditar que os seus pares o receberão de braços abertos e livre de qualquer condenação.

    sds. democráticas.

  8. Eu voto 55, não à divisão

    9 de setembro de 2011 - 09:07 - 9:07
    Reply

    Esse é o perfil de quem luta pela divisão do Pará e ainda vem mais por aí dos políticos separatistas. É desse modo que querem me convencer a votar na criação de novos Estados??? É por esses motivos que eu voto 55, não a divisão do Pará, não quero sustentar mais pessoas desse nível.

  9. Edivaldo Machado Barbalho

    9 de setembro de 2011 - 08:37 - 8:37
    Reply

    Gostaria que todos os eleitores desse homem tomassem conhecimento de mais esse fato e tomassem vergonha também. Asdrubal NUNCA MAIS.

  10. DJALMA GUERRA

    9 de setembro de 2011 - 08:36 - 8:36
    Reply

    E lamentavel esta decisao do STF,pois o Asdrubal nao e medico e portanto se houve laquaduras a decisao foi medica e so estes podem responder pela acao.
    Infelizmente o Supremo Tribunal Federal nao merece credito pois fazem julgamentos ridiculos com sentencas esdruxulas contra as provas apresentadas e legislam no lugar do congresso nacional e podemos exemplificar a decisao de liberar os casamentos homosexuais ferindo a constituicao que diz que familia deve ser formada pela uniao de um homem com uma mulher.
    O Brasil esta mal pois a justica esta sujeita ao estado de humor ou interesses de meia duzia de juizes acobertadas por mandatos de duracao ilimitada,
    Quem quizer ver como funciona mal o STF assista o TV justica e ficarao horrorizados com a justica no Brasil funciona.

  11. Paulo Pereira

    9 de setembro de 2011 - 08:33 - 8:33
    Reply

    Caro Hiroshi.

    A sabedoria popular diz que “o castigo vem montado em um raio” e isso ocorreu com o Deputado Federal Asdrubal Bentes.Acostumado a negociar posições e vantagens politicas, relembremos a sua desistencia da candidatura a Prefeito, recentemente decepcionou a todos quando mais uma vez submetendo-se à vontade soberana de seu senhor e rei Jader Barbalho, que pretendia ver Luiz Otávio na Câmara Federal, aceitou a inexpressiva e quase ridícula Secretaria de Aquicultura para abrir a vaga pretendida pelo chefe.Agora terá de enfrentar os votos de uma maioria que não põe a mão no fogo por ninguém e por certo, terá contra sí o interesse de Jader Barbalho, que após sugá-lo, como uma laranja, à exemplo do que faz com todos a quem submete, vai atirá-lo ao lixo, abrindo caminho para a capacidade articuladora de Luiz Otávio, para ele muito mais interessante, no momento, do que a amorfa submissão e obediencia cega de Asdrubal, que já deu o que tinha de dar.

  12. André

    9 de setembro de 2011 - 04:40 - 4:40
    Reply

    Esse é o cara que está representando o povo pelo Carajás, não? Façam me rir!

  13. jose n. filho

    8 de setembro de 2011 - 23:33 - 23:33
    Reply

    O povo de Marabá votou em massa neste senhor para que nos representasse na câmara federal, mas o mesmo jogou todos os votos que depositamos nele fora e assumiu o cargo de secretário da pesca do para, voltando à câmara federal apenas para responder em coro especial a este processo.
    Espero que todos os eleitores deste senhor se lembrem o que ele fez com os votos que recebeu na ultima eleição, o desprezo do mesmo com o cargo que a população lhe ofertou!

  14. Jose Soares

    8 de setembro de 2011 - 21:29 - 21:29
    Reply

    Agora são os amigos palamentares de Asdrubal, que vão decedir ou não pela sua cassação. E ai, vocês podem Adivinhar qual será o resultado? Quem acertar pago uma pizza.

  15. Ulisses Silva Maia

    8 de setembro de 2011 - 20:18 - 20:18
    Reply

    Na verdade, caro Hiroshi, não houve a conversão da pena por pecúnia de 100 salários mínimos. Esta foi a conclusão do relator, Min. Dias Tofolli. Mas o revisor, Min. Luiz Fux, não propôs a conversão da pena, sendo então acompanhado pelos Ministros Lewandovski, Ayres Britto, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Cezar Peluso e pela Ministra Carmén Lúcia. E, todos contra o voto do Min. Marco Aurélio que absolvia.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *