Hiroshi Bogéa On line

As dores de um parto

 

 

O fechamento por algumas horas da rodovia Transamazônica, à altura da cidade  de Palestina, deixou dezenas de motoristas indignados, mas marcou, pela primeira vez, um gesto de indignação da população do município, há anos aguardando a pavimentação de dezesseis quilômetros da rodovia federal.

Em meio a reclamações de muitos motoristas, havia muita compreensão – e até solidariedade às centenas de vozes que participavam da manifestação.

O ato deverá se repetir, mensalmente, até que as autoridades assumam de vez postura de respeito a quem paga impostos e exige o mínimo de atenção.

É inadmissível o povo do sudeste do Pará continuar pagando pecado num trecho de apenas 16 km de uma rodovia que já teve parte de seu trecho asfaltado há mais de quinze – sem a devida conclusão.

Post de 

4 Comentários

  1. Karla, a Spam

    5 de setembro de 2011 - 13:04 - 13:04
    Reply

    Caro Hiro,
    Voce notou um progresso na redação da Spam? Ela está se enquadrando, fala em asfalto para nossas estradas, em nossas riquezas para escoamento, e outros cometimentos. Essa Karla era aquela que condenava os “estrangeiros que querem se dar bem no Carajás?” Quem diria.. A Spam entendeu o que significa falta de governabilidade. Menos mal. O que esse blogue não faz para este tipo de figura programada para ser Spam..

  2. ANONIMO

    5 de setembro de 2011 - 08:01 - 8:01
    Reply

    Avesso que sou ,à qualquer tipo de invasão e/ou obstrução de prédios,ruas ,rodovias,etc De tanto sofrer rodando em péssimas rodovias(vide transamazônica sentido Marabá/Altamira),nesse momento,cansado de longa espera(estou fechando 52 years)acho que até radicalizaria,pois é demais o abandono e o descaso,acabou toda a paciencia,tolerancia,bom senso e o que mais seja.É isso !

  3. Karla Muaés

    4 de setembro de 2011 - 13:58 - 13:58
    Reply

    O Governo Federal , é que é o responsavel pela pavimentação da BR 163 que ligará Santarem ao MS, escoando nossa imensa produção de soja e outras riquesas, da Transamazonica e ex PA 150 e outras.
    O governo Federal está pouco se lixando pro nosso Pará. Pro Amazonas ele financia ate ponte de vai do nada pra lugar algum.
    Vai passar mais 4 anos e não vão fazer nada ! e quando o Lula-Ali-Babá voltar em 2014 vão ser mais 8anos de mensalão e nada de pavimentação.
    Não podemos deixar só os agricultores daquela regiao falando sozinhos. Vamos mandar e-mails pros deputados e Senadores todos os dias exigindo uma posição deles: Queremos asfaltamento em todas as nossas estradas e que a lei Kandir seja derrubada!
    E vamos ficar de olho na tv camara pra conferir o que eles vão fazer com nossos pedidos:(tomara que não seja o que estou pensando….)
    Ai vão os nomes e alguns e-mails,
    Lucio Dutra Vale dep.luicodutravale@camara.gov.br
    Carlos Alberto Puty: carlosalbertoputy@camara.gov.br
    Jose Roberto de Oliveira Faro-
    Wladimir Afonso da Costa: dep.wladimircosta@camara.gob.br
    Jose Priante Junior- dep.joseprinante junior@camara.gov.br
    Zenaldo Coutinho
    Ze Geraldo
    Zeca marinho
    Arnaldo Jordy
    Esmerino Neri Batista Filho
    Nilson Pinto
    Lira Maia
    Wandenkolk Gonçalves:
    Giovani Queiroz: dep.giovanniqueiroz@camara.gov.br
    Josué Benghson: dep.josuebenghson@camara.gov.br
    Elcione Barbalho: dep.elcionebarbalho@camara.gov.br
    Asdrubal Bentes :dep.asdrubalbentes@camara.gov.br

  4. Parto atravessado

    3 de setembro de 2011 - 14:31 - 14:31
    Reply

    Caro Hiro,

    Não é falta de visão macro deste governo? A ponte de 900 meros está pronta. Do outro lado, um Tocantins aberto ao comércio, com estradas excelentes, com população com relativo poder aquisitivo pronta para atravessar pra cá para procurar retíficas, auto peças, atacadistas de secos e olhados, tecido em grande lojas, combustível, sal para o gado, medicamentos veterinários, vacinas, sementes de capim, um grande rio de negócios e não pode.
    Não há governabilidade. Nós precisamos gerir nosso destino.
    Por isso, esse parto doloroso, caro Hiro.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *