Hiroshi Bogéa On line

Apesar da obrigatoriedade, raros comerciantes de Marabá emitem nota fiscal de produtos e serviços

 

A obrigatoriedade da impressão de nota fiscal por empresas de Marabá não é cumprida.

Pelo menos foi isso o que o blog constatou ao percorrer diversas lojas de segmentos de negócios diferenciados.

O levantamento foi estimulado por um e-mail enviado por leitor  do blog, denunciando à dificuldade para receber notas fiscais em suas compras na cidade.

E é verdade.

Durante três dias, o blogueiro foi pessoalmente certificar o teor da denúncia e raramente encontrou lojas e empresas de prestação de serviço dispostas a emitir o documento fiscal exigido por lei.

Até quando se exigia a NF havia dificuldades para seu recebimento.

Se não pedir, então nem pense em ter acesso ao comprovante fiscal.

As lojas do Grupo Zucatelli (oficinas de assistência técnica e lojas de peças) praticamente é uma raridade.

Em todas as concessionárias do grupo, há cartazes grandes em pontos estratégicos orientando clientes a exigirem  nota fiscal.

Somente para efeito  de comprovação real, o blogueiro dirigiu-se a loja de peças da Zucavel Veículos e efetuou uma compra de pequena monta – um frasco pequeno de Super Cola, no valor de R$2, 00.

Ao chegar no caixa para pagar o produto, a funcionária pediu o CPF do blogueiro.

– “Não precisa tirar nota, querida. Estou apressado”, disse em tom de provocação.

A resposta foi imediata:

– “ Desculpe, mas não vendemos sem emitir nota fiscal. É norma da empresa”.

–   “Mas o valor é irrisório, não precisa”.

– Infelizmente, sem a emissão de nota fiscal não entregamos a mercadoria, disse, segura, a funcionária.

Diante de tal situação de inflexibilidade, não havia como não atender ao pedido da funcionária.

O episódio serviu para  confirmar protocolo do grupo econômico.

Percorrendo seis lojas do Grupo Zucatelli, em todas os avisos de exigência de nota fiscal  estão afixados em caixas e em outros locais dos pontos comerciais.

Como o diretor-presidente do grupo, Reinaldo Zucatelli, encontrava-se  numa das lojas, o blogueiro aproveitou para saber se a orientação para os clientes exigirem nota fiscal é apenas nas lojas de Marabá.

Não!

Ele disse que a norma ocorre todos as filiais.

– “Todo consumidor tem direito a receber Nota Fiscal e nenhum estabelecimento nosso, por qualquer motivo, deve omiti-la.  Nossa postura de respeito ao fisco vem de muitos anos”, explica Zucatelli, acrescentando ainda que  “é dever dos empresários saber que qualquer transação de serviço ou produto deve ser acompanhado da nota fiscal, porque o documento  dá a possibilidade aos consumidores de ter a certeza de que os impostos embutidos no preço da mercadoria serão recolhidos.  Outra coisa: a  ausência da nota fiscal pode separar o consumidor do direito à garantia do produto, do direito à restituição ou à troca, no caso de vícios, falhas ou defeitos. E quando um estabelecimento não oferece, ela está cometendo um crime considerado sonegação fiscal”, finaliza o empresário.

Na foto acima, Reinaldo Zucatelli explica norma do grupo e aviso aos clientes, ao fundo, para que exijam nota fiscal.

Nota fiscal emitida em nome do blogueiro, na compra de um tubo de super cola no valor de R$ 2,00.
Post de 

2 Comentários

  1. Luis Sergio Anders Cavalcante

    13 de novembro de 2018 - 15:02 - 15:02
    Reply

    Sr. Hiroshi, como consumidor comum, adianto que ao final/início de todo mês, faço aquisição de provisões mensais, em Super Mercados diversos, onde o máximo que acontece, são os caixas pedirem o número do CPF, porém, sem insistencia. Faço o “mea culpa”, pois a emissão de NF gera impostos. Porém, nos ressentimos de uma fiscalização mais efetiva dos órgãos competentes. 13.11.18, Mba.-PA.

  2. Anilton Vieira

    13 de novembro de 2018 - 12:44 - 12:44
    Reply

    Boa tarde, Sr. Bogea.
    Sou Anilton Vieira, contador e Prof. De graduação e pós graduação, com especialização na área tributária e auditoria, controladoria. Mestrando em Gestão empresarial. infelizmente muitos empresários não desenvolveram a cultura da obrigação fiscal, o entendimento para muitos e de fechar os olhos para uma realidade que este ano completou uma década, me refiro a nota eletrônica, primeiro grupo de empresas obrigadas passou a emitir em 01/04/2008, e HJ e uma realidade para todos os seguimentos comerciais e de serviços.
    O empresário tem que lembrar de um simples princípio ” tudo que entra saí” . Se entra mercadoria (compra) ele vende (saída), se ele compra (entrada) com o documento fiscal DANF, tem que haver obrigatoriamente a saída ( Venda).
    Muitos se ilude ” há eu SN= Simples Nacional. Não importa sua forma tributária, se compra tem que vender , ou como é que paga os fornecedores e custos operacionais?
    SDS
    Anilton Vieira Contadores & Associados.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *