Hiroshi Bogéa On line

Amarrando bigodes

Passou praticamente despercebido pela grande imprensa o entrevero dos deputados federais Beto Faro (PT) e Ronaldo Caiado (DEM-GO), durante a presença do ministro da Justiça, Tasso Genro, na Comissão da Amazônia que debateu as invasões de terra no Sul do Pará.

Em determinado momento, Faro dirigiu-se aos parlamentares, criticando-os por criarem clima de violência contra religiosos defensores das causas sociais, cobrando ainda a apuração de morte de trabalhadores rurais.

Ronaldo Caiado reagiu ao seu estilo agressivo, citando o comportamento heterodoxo de determinados sacerdotes, segundo ele, estimuladores das ocupações e desapropriação. Na avaliação do parlamentar goiano, os fazendeiros da região das áreas saqueadas acumulam prejuízos superiores a R$ 100 milhões.

Post de 

4 Comentários

  1. Anonymous

    2 de dezembro de 2007 - 13:03 - 13:03
    Reply

    Um dia PT e PFL (demo) terão muitas coisas em comum. O PT chegará lá!

  2. Anonymous

    30 de novembro de 2007 - 18:50 - 18:50
    Reply

    Quem é Caiado prta falar em prejuizos eu não sei. Mas quem é o Beto Faro eu sei muito bem, é aquele que fazia e desfazia no INCRA.

    E tanto fez que foi preso.

  3. Anonymous

    30 de novembro de 2007 - 05:55 - 5:55
    Reply

    Brincanagem!!!
    Quem é Caiado prta falr em prejuizos??

    Esqueceu das florestasd derrubadas para plantio de capim na regiao?rios mortos? devastação intensa provocada pelso goianos qeu aqui fincaram a bandeira…

    E a UDR assassina???

  4. Val-André Mutran

    30 de novembro de 2007 - 01:38 - 1:38
    Reply

    Vou publicar nos Corredores o Aúdio da audiência.

    Caiado foi até bomzinho com Beto Faro.

    Como foram mais de quatro horas de audiência e trabalho no blog nas horas de folga. Amanhã a para tá no ar e vale a pena ser ouvida.

    Editei apenas os intervalos de silêncio.

    O material vai na íntegra com Copyleft, desde que citada a fonte — Câmara dos Deputados Comissão da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural — ok?

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *