Alpa: erro histórico

Publicado em 26 de novembro de 2010

Como novo ingrediente para postergar a votação dos projetos 291/09 e 292/09, destinados a  conceder benefícios fiscais às empresas que se instalarem no Distrito Industrial de Marabá, a OAB-Pará marcou para o dia 9, a convocação – isto mesmo, convocação! -, de um grupo de personalidade, entre elas o vice-governador eleito Helenilson Pontes (PPS), para se explicarem se há inconstitucionalidade ou não nas propostas.

Pelo andar da carruagem, se esse barato prosseguir no embalo dado pelo PPS e PSDB, a Alpa vai para o espaço, literalmente.

E aí?

E aí, juntamente com o empreendimento, seguirão, como num balão de festa junina, alguns políticos estaduais!

O povo paraense jamais perdoará tamanho erro histórico.

Dia 9 é dia 9, pertinho da data limite de encerramento do período legislativo.

Os projetos necessitam de aprovação em 2010, para passar a valer no ano subsequente.

Presente-se, assim de soslaio, haver  algo estranho no ar, além das  solenes preocupações tributárias.

Ou não, Raimundão?!

O mais intrigante nesse babado, como bem alerta anônimo comentarista, é a volúpia com que os deputados estaduais passaram a tratar o assunto, depois de quase um ano escorando os dois projetos em alguma gaveta, “aguardando seu ingresso em pauta”.

Do jeito que o Roger Agnelli contempla, de coração aberto, a interiorização desse monumental empreendimento às beiras do Tocantins, não duvidem se ele já não deu dica pro Sarney  do que está ocorrendo nos gabinetes da Assembleia Legisaltiva do Pará.

E o bigodudo, ó, de zoião aqui.

É, se tudo isso não fosse degradante, a comicidade da trama ganharia mais destaque.