Hiroshi Bogéa On line

Alma de artista

A Unimed Sul do Pará comprou, recentemente,  quadros que estavam abandonados em algum lugar do país, do maior artista marabaense de todos os tempos: Augusto Morbach. A iniciativa é do presidente da entidade, Jorge Bichara, médico ambientalista fervoroso defensor dos valores regionais.

Não apenas obras de Morbach. 

Manuscritos inéditos do poeta Aziz Mutran Filho também pertencem agora à Unimed Sul Pará.

As obras serão, agora,  recuperadas e, futuramente, disponibilizadas à Casa da Cultura de Marabá.

O  nanquim de Morbach é inigualável. Cada traço gerando emoção -, nuances de uma paleta variada colorindo a alma de quem sonha acordado.

Colocar os olhos num quadro de Morbach nos leva a retroceder no tempo, muitos séculos antes de Cristo, quando o nanquim foi inventado pelos chineses, usando tinta em pincéis de bambu.

E por um instante, obra e artista se tornam um só, para num coito sublime, afoito e imprevisível,  dar vida às sutilezas que impregnam o coração.

Jorge Bichara assumiu compromisso com o poster de permitir o registro fotográfico do valioso material, tão logo o acervo adquirido for devidamente restaurado.

E o blog os publicará.

Post de 

2 Comentários

  1. pt.pinheiro@hotmail.com.br

    18 de novembro de 2008 - 23:40 - 23:40
    Reply

    Comprei três quadros do Mestre Morbach em Nanquim no Pebas, por R$ 100,00, iam para o lixo de lambuja me deram dois crayons, do mesmo artista. As pessoas não sabem o que existe, falta divulgação. Uma pergunta Hiroshi, onde anda o acervo de obras de Augusto Morbach, Rildo Brasil e outros que existiam na sede da Prefeitura de Marabá, há mais de 20 anos, estão aonde? Na casa da cultura!?

  2. El Cid

    14 de novembro de 2008 - 23:17 - 23:17
    Reply

    Quem conhece o Dr. Jorge não se surpreende. Marabaense de valor, de uma generosidade e uma sensibilidade que enche de orgulho as pessoas que tem o privilégio de conviver com ele. O Jorge é um patrimônio paraense.
    Parabéns! obrigado pelo seu grande legado e pelo seu exemplo de dignidade.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *