Ahitar ameaçada de fechar

Criada para fomentar a utilização do transporte hidroviário de cargas na região Centro-Norte, a Ahitar – Administração das Hidrovias Araguaia-Tocantins, transformou-se, neste ano de 2008, num exemplo de bagunça e destempero administrativo.

Os prefeitos de municípios banhados pelo rio Araguaia estão apavorados com a possibilidade – cada vez mais forte – da Ahitar se tornar insolvente, matando de vez todas as probabilidades daquelas comunidades serem beneficiadas com a Hidrovia Araguaia-Tocantins, sonho de todos.

Tudo começou com o processo de transferência da sede da empresa de Goiás para o Tocantins. Medida acertada, até o surgimento do senador João Ribeiro (PR-TO).

Beneficiado pela presença de um correligionário à frente do Ministério dos Transportes, Alfredo Nascimento, pasta que controla órgãos ligados às hidrovias, o senador figurinha carimbada da política tocantinense impôs forte ingerência política na Ahitar, alterando seus objetivos aos transformá-la num guarda-roupa de empregos em detrimento da qualidade técnica que o setor exige.

Em menos de um ano, João Ribeiro determinou a demissão de qualificado corpo técnico, substituindo-o por gente sem noção do que seja empresa pública focada na atividade hidroviária, dificultando, com isso, a superação dos gargalhos do chamado custo Brasil.

Poderoso representante do PR no Tocantins, o senador exigiu a nomeação para todos os cargos da Ahitar, entre eles, o que assumiria a superintendência da empresa, Tarlis Junqueira Caleman, vetado logo de cara pela Casa Civil da Presidência da República.

Para se vingar do veto ao nome da chefia da Ahitar, João Ribeiro passou a emplacar diversos nomes.

De uma canetada só, o Diário Oficial referendou o chefe do Núcleo de Operações, Frederico Gayer Machado de Araújo -, genro do senador; Núcleo de Apoio (Financeiro), Murilo Ramos do Carmo -, marido de sua sobrinha; Assistente Administrativo; Adriana Pereira de Oliveira, esposa de seu motorista particular; Telefonista, Dayane Naves de Queiroz , esposa de seu inseparável cozinheiro, mais conhecido como Bin Laden; Assistente Administrativo, Thaizza Pereira Santos -, amiga de velhos e novos tempos do senador.

Enquanto isso, as obras, melhorias e manutenção da Hidrovia Araguaia-Tocantins estão abandonadas à própria sorte.