Hiroshi Bogéa On line

Abrindo o cofre

Por essa ninguém esperava.

Prefeitos, vereadores e empresários dos municípios de Marabá, Eldorado, Curionópolis, Parauapebas, enquadrados no entorno do Projeto Salobo, estão sendo comunicados pela Fundação Vale do Rio Doce de que suas cidades-sede serão beneficiadas com vultosos investimentos nas áreas de saneamento, pavimentação, habitação e regularização fundiária de lotes urbanos. Ontem, por todo o dia, a direção da Fundação Vale reuniu em Marabá políticos e a Associação Comercial e Industrial expondo a grandiosa dos projetos.

As demandas atuais e futuras de cada município, apontados em estudo sócio-econômico encomendado pela mineradora, serão enfrentadas a partir da oferta de empreendimentos de alcance social que a companhia realizará em parceria com as comunidades. Contraponto aos impactos dos projetos de mineração da companhia a exigir aporte superior a US$ 30 bilhões, pelos próximos dez anos.

Post de 

8 Comentários

  1. Bia

    11 de novembro de 2007 - 06:52 - 6:52
    Reply

    Boa noite, caro Hiroshi

    desculpe ot tom de pesadelo – na verdade, de insônia…rsrsrs…- mas acho que a nossa Santa Vale do Rio Doce deslancha o estado de Carajás.

    Num comentário meu há dois meses, mas ou menos, eu dizia isto: o estado de Carajás será realidade independente da vontade dos brasileiros que vivem aí ou aqui.

    Tia Vale vai fundo! Com competência e sagacidade! E ainda reveste isso tudo de responsabilidade social.
    Mas, desejo, sinceramente, que todos os merecidos benefícios sejam concretizados.

    Um abraço. Boa noite.

  2. Val-André Mutran

    11 de novembro de 2007 - 02:51 - 2:51
    Reply

    Exceto se o enclave Vale desfila no novo Estado por gravidade. O que não deixa de ser um escândalo.

    Vou aguardar pelo menos uma nota da CCS, SCC, Secretaria de Comunicação ou o que seja a Comunicação do governo de sua Excelência AJC. Ou será CJA? Ih! Carajás!!!!

  3. Val-André Mutran

    11 de novembro de 2007 - 02:46 - 2:46
    Reply

    Caro Hiroshi, reitero: A CVRD não está autorizada constitucionalmente à negociar nada sem o aval do governo do Estado do Pará. Igualmente do Goveno Federal.

    Ou ela opera à margem destes?

  4. Anonymous

    11 de novembro de 2007 - 01:15 - 1:15
    Reply

    Ja tem PTistas pensando no proximo carro (Mercedez, BMW…), numa coberturazinha, numa viajem à europa. Em Pebas nem se fala em outra acoisa na cúpula.

    Ja devem até dizer pra família na hora do jantar: “…Vai entrar um dinheirinho ai pra gente…”

  5. Hiroshi Bogéa

    10 de novembro de 2007 - 22:50 - 22:50
    Reply

    4:12 PM, a CVRD não fará nenhum favor às comunidades. Ele se antecipa aos problemas que adivirão da explosão demográfica provocada pela grandiosidade de seus projetos. Ela não quer ser vítima, no futuro, do próprio veneno.
    Abs

  6. Hiroshi Bogéa

    10 de novembro de 2007 - 22:48 - 22:48
    Reply

    Caro Val, por se encontrar ausente da cidade, não participei das reuniões realizadas pela Fundação Vale com o prefeito, Câmara e Associação Comercial e Industrial de Marabá. Detalhes dos programas de investimentos urbanos não os tenho, mas certamente a CVRD tem quadros qualificados para cuidar da parte legal de suas ações. Não tenho dúvidas de que a Fundação atuará em parceria com as prefeituras.
    Abs

  7. Anonymous

    10 de novembro de 2007 - 19:12 - 19:12
    Reply

    Finalmente,

    O que não é razoável é a CVRD assistir de camarote o surgimento de favelões em sua área de influência sem nada fazer.

    Já vem tarde, caso venha, de qualquer modo será um grande feito e merecerá aplausos.

    Quanto ao governo Ana Júlia. Assim ninguém se decepciona.

    Veja o governo Darci-PT, em Parauapebas, maior arrecadação do interior paraense e a cidade entregue à malandragem.

  8. Val-André Mutran

    10 de novembro de 2007 - 14:54 - 14:54
    Reply

    É perigoso, para não falar inconstitucional a Vale agir, dessa forma sem o Estado do lado.

    Mas como o Estado da governadora Ana Julia Carepa é um faroeste! Segundo a Veja. Vale tudo, meu caro.

    Lamentável tudo isso, caro amigo.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *