Hiroshi Bogéa On line

Abandono municipal

 

 

Blog publicará, durante a semana, relação do total de repasses constitucionais federais feitos em 2010 aos 39 municípios do Sul e Sudeste do Pará.

Oportunidade para cada cidadão refletir sobre a incapacidade da maioria dos prefeitos em gerenciar suas cidades.

Grana existe, falta é gestão.

Post de 

15 Comentários

  1. Prof. Alan

    30 de novembro de 2011 - 17:17 - 17:17
    Reply

    Anonimo das 13:56, falta de recursos não pode ser a razão do problema da saúde em Marabá: no ano passado o Governo Federal repassou, só em verba “carimbada” pra saúde, mais de 38 milhões de reais pra Marabá…

  2. ANONIMO

    30 de novembro de 2011 - 13:56 - 13:56
    Reply

    Agora,por ocasião da “troca” de secretários da PMM,referindo-se à secretaría de Saúde,Miguel Gomes Filho(ex-secretário/dos mais incompetentes)do alto da sua sabedoria,bradou: o secretário assume o maior pepino,só Deus resolve o problema da saúde em Marabá,que não é de gestão,mas de carencia de recursos !!! Pode isso ?? Como diria Pagão:Óleo de Peroba nele,ligeiro gente !!

  3. joao filho

    30 de novembro de 2011 - 01:25 - 1:25
    Reply

    Mano vei, começa em maraba.

  4. neto

    29 de novembro de 2011 - 14:37 - 14:37
    Reply

    Mas é isso que sempre achei…, essa doença e no pará inteiro…santa luzia do pará – nordeste do pará , o prefeito era motorista de caminhão e hoje…em menos de 8 anos…tem concessionaria de marca de carro importado…. e depois tem que esquartejar o estado pra atender a população….isso e um grade golpe….vamos todos votar contra a divisão do pará

  5. marcos paulo

    29 de novembro de 2011 - 11:46 - 11:46
    Reply

    senhores bom dia. infelizmente não é novidade a incompetência dos nossos “gestores” relacionada à coisa pública. na verdade se fosse a incompetência por si só, não teríamos tanto com que se preocupar. o problema em nosso país, em qualquer canto dele, é a impunidade. é a certeza de que os mau feitos não serão punidos com rigor. é saber que qualquer passo, terá uma consequência, benéfica ou não.
    pelamordedeus, pra onde estamos caminhando? pra onde estão indo as instituições? sinceramente, é desolador ler as notícias do nosso cotidiano, é fome, miséria, prostituição infantil, trabalho escravo, ministros, deputados, prefeitos, juízes, comprometidos com a mentira, com a corrupção…
    e pior, não acontece nada…
    cadê o tcm, o tce, o tcu da vida?
    hb, prof allan, estamos aguardando as informações…
    vamos lá brasil, quem sabe um dia as coisas melhoram…

  6. Prof. Alan

    28 de novembro de 2011 - 21:59 - 21:59
    Reply

    sssss, só uma ressalva: pagamento de servidor municipal é em maior parte responsabilidade do município, através de sua arrecadação própria – uma exceção é pagamento de professor da educação básica, que pode ser complementado com dinheiro do FUNDEB.

    Boa parte dos recursos federais repassados aos municípios são verbas “carimbadas”, ou seja, tem finalidade específica. Por isso é importante saber quanto a prefeitura arrecada e o que faz com esse dinheiro…

  7. joao filho

    28 de novembro de 2011 - 13:53 - 13:53
    Reply

    essa turma ai ta apimentada,hein?…gostei de ver.

  8. marina tocantins

    28 de novembro de 2011 - 12:05 - 12:05
    Reply

    Aguardo ansiosamente essa matéria. É daí que saem as Hilux da vida, os apartamentos em Fortaleza, as roupas de grife, os casarões cheios de empregadas e muito, muito mal gosto. Enquanto isso, o povo pobre se lasca.

  9. sssss

    28 de novembro de 2011 - 11:27 - 11:27
    Reply

    Vamos ver qual o repasse para Marabá. Vamos ver se justifica o atraso do nosso pagamento, se justifica os buracos nas ruas, a falta de medicação nos hospitais e centros de saúde, a falta de merenda nas escolas e a falta de governo nessa cidade!!!

  10. Prof. Alan

    28 de novembro de 2011 - 09:29 - 9:29
    Reply

    Hiroshi, estou fazendo a segunda etapa do trabalho, que envolve cruzamento de dados das verbas repassadas no Pará com municípios de mesmo porte no Sul/Sudeste, e levantamento de informações históricas básicas, como data de fundação/emancipação dos municípios comparados.

    Daí partirei pra terceira etapa, que é a verificação e comparação de indicadores sociais e de IDH entre os municípios. A quarta e última etapa é a busca de razões entre eventuais diferenças encontradas.

    Vai ser um trabalho duro, mas acho que vai ajudar muito a lançar luzes sobre questões relativas a desenvolvimento regional, políticas públicas e melhoria das condições de vida da população. À medida que os resultados forem sendo tabulados repassarei os dados pra você, para publicação no blog. Minha intenção é atiçar o debate e fazer o povo olhar com mais cuidado para a atuação das prefeituras, que é a parte da Administração Pública que está mais perto do cidadão.

  11. Prof. Alan

    27 de novembro de 2011 - 21:46 - 21:46
    Reply

    Hiroshi, assisto agora a reportagem do Fantástico, sobre a farra das primeiras-damas com verbas públicas – inclusive repasses federais.

    A reportagem (que estará disponível no site do programa) só reforça meu entendimento, após 13 anos na área de controle do Serviço Público Federal: a fiscalização do povo sobre as prefeituras e as denúncias do povo sobre malfeitos dos prefeitos resolveriam metade dos problemas do país!

    • Hiroshi Bogéa

      27 de novembro de 2011 - 22:15 - 22:15
      Reply

      Prof. Alan, antecipo agradecimentos pelas informações que você me forneceu como corregedor da Controladoria Geral da União. Não sei se nesta segunda, mas até terça soltarei a primeira matéria sobre os repasses federais aos municípios. Abs

  12. Prof. Alan

    27 de novembro de 2011 - 21:36 - 21:36
    Reply

    Marcos Paulo e De Olho, tenho certeza que vocês vão se surpreender. E se escandalizar também…

  13. de olho...

    27 de novembro de 2011 - 20:45 - 20:45
    Reply

    Grande ideia, Hiroshy. Parabens!

  14. marcos paulo

    27 de novembro de 2011 - 15:52 - 15:52
    Reply

    ôpa, agora eu quero ver…

Leave a Reply to Hiroshi Bogéa

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *