A importância de escolher o revestimento adequado

Publicado em 4 de maio de 2012

 

 

A partir de agora,  passamos a contar com a colaboração do empresário  Mauro Junior, municiando leitores do blog com informações sobre lançamento de produtos voltados à área de construção civil.  Apesar de bem jovem ainda,  Junior têm se especializado no setor, como  e aceitou o convite para tirar dúvidas e fazer sugestões a quem estiver interessado.

Boas vindas ao  novo colaborador.

——————–

 

Pisos e Revestimentos

(*) Mauro Junior

 

Nossa intenção, neste espaço concedido gentilmente pelo Hiroshi Bogéa,  é somar informações a futuras compras de materiais de bom gosto e requinte.

Hoje falaremos sobre porcelanato e pisos, considerados por muitos consumidores e construtores, um produto até luxuoso, daquele que não constam no orçamento previsto pra tão sonhada casa.

Pisos e revestimentos são à base de uma casa bonita e bem decorada. Se escolhidos de forma correta, deixam o ambiente – seja a cozinha, quarto ou banheiro -, mais sofisticado e agradável aos olhos. Existem diversos tipos de pisos e revestimentos com diferentes níveis de resistência. Assim cada um é apto para determinados ambientes e tráfego de pessoas.

O que significa o “PI” do piso e quais os tipos?

PI é a resistência à abrasão do esmalte cerâmico do piso ou revestimento.

Pode ser PI 1, 2, 3, 4 e 5.

O PI 1 indica um esmalte frágil, encontrado em azulejos, não aceitando nenhum tipo de atrito.

O PI 2 é indicado para pisos com pouco tráfego.

Já o PI 3 é o tipo mais usado em residências, em qualquer cômodo.

Os PIS 4 e 5 são indicados para lugares com extremo tráfego de pessoas ou de peso, como garagens e estabelecimentos comerciais.

Pergunta muito frequente nas lojas de construção é se o Porcelanato pode ser considerado um Piso ou Revestimento?

Não, Porcelanato não se encaixa em nenhum desses grupos, tendo como conhecimento a seguinte informação: porcelanato tem uma taxa de absorção de que chega próximo a 0% diferente do piso que já tem uma taxa de absorção maior, entre 0,5% e 0,6%.  E, acreditem, esta pequena diferença pode ser notada naquele café derramado que foi deixado para se limpar depois.

E onde fica o revestimento nessa historia? O revestimento foi feito pra ser aplicado em parede, assim, feito em peças menores que as de piso e porcelanatos.

Ao adquirir sua peça de porcelanato lembre-se sempre de ter alguns cuidados básicos pra aumentar sua vida útil e assim não trazer dor de cabeça aos possíveis compradores que estão lendo está matéria.

Listarei alguns cuidados:

Ao limpá-lo, nunca utilize produtos químicos. Use  uma vassoura de pelo e depois passe um pano de chão molhado com a solução de uma colher (de sopa) de detergente neutro ou sabão de coco líquido diluído em uma balde de água (cinco litros).

Nunca utilize sabão em pó.

Essa quantidade de detergente é suficiente para retirar a oleosidade e a sujeira, sem deixar o piso de porcelanato opaco. Passe um pano molhado e seque totalmente o revestimento com um pano macio para manter o brilho.

Ao assentamento, procure comprar  a argamassa apropriada  pra este tipo de piso.

Para vida útil do seu revestimento,  algumas dicas:  utilizar capachos nas entradas das portas externas,  jamais r produtos de limpeza que possuam ácido na sua formulação; utilizar o revestimento certo para o lugar certo, evitar o contato de produtos abrasivos, proteja os pés dos móveis com carpete ou feltro para não arranhar a superfície ao ser arrastados e evitar a queda de objetos pesados e pontiagudos.

(*) Jovem empresário executivo da Casas Prata