A hora é de avançar, sem recuos. Ou Marabá passará mais quatro anos aumentando seus bolsões de miséria

Publicado em 2 de maio de 2013

 

 

Além da folha do mês de abril quitada dia 30 último, que totalizou quase R$  12.814.000,00 -, a prefeitura desembolsou mais de R$ 3 milhões em quitação de salários e Vale/Visa,  deixados em aberto pelo ex-prefeito Maurino Magalhães.

Soma-se aos valores acima, a quantia de R$  1.218. 349,00 que o município pagou de Vale-Visa do mês de abril, além de  R$ 76.220,00, de VT Card.

A prefeitura de Marabá necessita ter uma sobra de pelo menos R$ 3 milhões mensais, para investimentos.

É essa grana que seria destinada a melhorias, nas  áreas de saúde e infraestrutura, como pavimentação de ruas e outros bogodós do gênero.

No embalo que segue, a sobra que está sendo registrada não passa de R$ 200 mil.

Com a agravante de que a folha dos servidores superou o índice de 56%, bem acima do limite imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

A busca incessante pela queda da folha para algo em torno de 46%, é a meta da atual administração.

Essa a razão da lavra de demissões – e da extinção de alguns privilégios -, a ser sacramentada, na próxima semana, determinada pelo prefeito.

Prefeito comprometido com as contas públicas, não deve apenas se preocupar em cumprir as exigências da tal  Lei de Responsabilidade Fiscal.

Mesmo que contrarie interesses corporativistas, o prefeito deve se esforçar para obrigar o município a organizar as suas contas de forma que sempre sobre alguma coisa para ser transferido ao benefício púbico.

Aumentar o grau de eficiência administrava, desagradando minorias, essa é a tonalidade básica de quem quer ser reconhecido pela população.

A  comunidade vem exigindo, a bom tempo,   o mínimo de atendimento na área de saúde, ruas pavimentadas, coleta de lixo funcionando a contento, transporte público civilizado, além de outros benefícios não menos prioritários.

Para que isso seja feito, é preciso que haja dinheiro disponível.

E, na atual estrutura administrativa que se formatou para destinar quase 60% de seu orçamento  ao pagamento de servidores, nenhum daqueles benefícios será alcançado. Porque não sobra dinheiro, não há disponibilidade de caixa.

Muda tudo, ou a população continuará a viver na miséria urbana que assola o município nos últimos anos.

Enquanto existir a concepção de que a prioridade é a proteção de guetos dentro da estrutura administrativa da prefeitura de Marabá, nenhum prefeito conseguirá garantir o  desenvolvimento social e econômico do município.

O número de pessoas miseráveis na cidade continuará crescendo.

Para que a população tenha noção do que foi pago, dia 30, de folha e obrigações outras comprometidas pelo prefeito em negociações com os sindicatos da classe, o blog  publica o resumo abaixo, obtido no início desta noite,  junto a Secretaria de Finanças:

 

Folha de abril – R$ 12.813.107,40

Do total, pagamento de salários  de servidores da Saúde: R$ 2.778.446,83

Educação: R$ 7.355.876,05

Demais Secretarias: R$  2.678.784,52

 

Parcelamento de folhas deixadas atrasadas pelo ex-prefeito:  R$ 2.706.181,64

Do total, Educação levou R$ 1.652.531,41

Demais: R# 1.053.650,23

 

Pagamento Visa Vale/ Abril:  R$ 1.218.349,60

Desse total, Educação abocanhou R$  610.786,80

Saúde: R$ 288.225,60

Outras Secretarias: R$ 319.337,20

 

Parcelamento Visa/Vale (atrasados):  R$ 392.138,22

Do total, Educação levou R$ 156.872,94

Saúde: R$ 103.351,52

Outras Secretarias: R$  131.913,76

 

VT Card: R$ 76.220,00