A força da marca Flamengo

Publicado em 29 de abril de 2014

 

Dos três clubes de maior torcida do futebol brasileiro (Flamengo, Corinthians e São Paulo), o clube carioca foi o único que registrou, em 2013,  um crescimento explorando a sua própria marca.

O rubro-negro não arrecadou um único centavo com a transferência dos seus jogadores e ainda assim fechou 2013 com uma receita da ordem de R$ 273 milhões, valor 29% superior ao registrado em 2012.

Na comparação com a realidade vivida por São Paulo e Corinthians, o campeão da Copa do Brasil 2013 superou os rivais paulistas sem considerar as receitas geradas pelas transferências de jogadores.

O maior mérito do clube carioca foi explorar a marca Flamengo junto à sua apaixonada torcida.

O crescimento das contas apresentadas pelo rubro-negro foi impulsionado por novos R$ 16 milhões gerados pelo seu programa de sócio-torcedor, R$ 48 milhões referentes à venda de ingressos e outros R$ 53 milhões proporcionados pelo marketing do clube.

O Flamengo tem uma dívida gigantesca, é verdade, mas a atual gestão capitaneada pelo presidente Eduardo Bandeira de Mello conseguiu, em curto prazo, reduzir o nível de endividamento do clube, com o pagamento de impostos que estavam em atraso.

Os gastos do rubro-negro com o futebol atingiram R$ 180 milhões, enquanto o déficit experimentou um recuo de 68%.

Os resultados apresentados por Corinthians e São Paulo mostram que sem as luvas da TV, os dois clubes paulistas acabaram buscando nas transferências dos seus jogadores o equilíbrio necessário às suas finanças.

Talvez a exceção fique por conta do Flamengo, que revelou um crescimento, apesar dos seus graves problemas financeiros. O rubro-negro pagou seus impostos em atraso, sem, contudo, abrir mão de suas principais estrelas.

Os números dos três grandes clubes estão em seus balanços publicados semana passada.

Ou seja, a atual diretoria rubro-negra está no caminho certo, ao adotar postura de responsabilidade na contratação milionária de atletas que nunca rendem o desejado.

Dentro de cinco anos, se continuar administrada com a competência até agora demonstrada, o Mengão se transformará numa das forças financeiras do futebol mundial.

A conferir.