Hiroshi Bogéa On line

A fantástica invenção global desmentida ítem a ítem

 

 

 

Governo desmonta engenharia midiática que a Globo e seus satélites montaram na tentativa de tornar verdadeiro, a fantasiosa matéria de que a malha ferroviária brasileira está condenada.

Nota do Ministério dos Transportes desnuda a safadeza global  “escandalizada” no Fantástico:

 

————————

Brasília, 22/04/2013 – A respeito da matéria “Deficiência estrutural nas ferrovias e portos faz Brasil desperdiçar bilhões”, exibida no programa Fantástico de 21/04/13, os Ministérios do Planejamento e Transportes, Secretaria de Portos e Valec Engenharia, Construções e Ferrovias SA esclarecem:

1. A ferrovia Norte-Sul, com 2.255 quilômetros de extensão, se encontra em três diferentes estágios:

a. Trecho Palmas/Açailândia: 719 quilômetros em operação

b. Trecho Palmas/Anápolis: 855 quilômetros em finalização de obras (90% de execução)

c. Trecho Anápolis/Estrela d’Oeste: 681 em obras (35% de execução)

2. A reportagem se concentrou no trecho entre as cidades de Palmas (TO) e Anápolis (GO) cujas obras estão sendo finalizadas e, de fato, não estão concluídas.

3. Quatro novos contratos, realizados pelo Regime Diferenciado de Contratação Pública (RDC), farão os serviços necessários para colocar o trecho entre Palmas (TO) e Anápolis (GO), em operação, tais como: taludes, brita para sustentação dos dormentes, desvios e pátios de manobra. Esses contratos somam R$ 400 milhões: dois já estão com contratos assinados e dois em fase final de licitação.

4. Os 10% restantes de obras, entre o trecho entre Palmas (TO) e Anápolis (GO), serão realizados até o final de 2013 e o segmento entrará em operação em 2014.

5. Em relação ao trecho Anápolis/Estrela d’Oeste, não é verdadeira a informação de que não há projeto para pontes e passagens. Todos os projetos executivos das 69 pontes ou passagens estão finalizados. 60 deles estão aprovados e os nove restantes, em fase final de análise. A previsão de conclusão de obras nesse trecho é julho de 2014.

6. Não é verdadeira também a informação sobre a dragagem do Porto de Santos. Ao contrário do que diz a matéria, recentemente foi concluída a primeira fase da dragagem de aprofundamento do canal de acesso e bacias de evolução do Porto. Essa dragagem amplia o acesso de grandes navios e eleva a capacidade de transporte de carga. Também foi concluída a implosão das pedras de Itapema e Teffé, além da retirada do navio Ais Georgis, que contribui para melhorar a movimentação de grandes embarcações.

7. No Porto de Santos, de 2002 a 2012, a movimentação de cargas aumentou em 97% e a quantidade de navios atracados, em 40%.

8. A reportagem não aborda os benefícios já gerados pelos trechos em operação da Ferrovia Norte-Sul e omite parte de sua história:

a. De 1987 a 2002 foram realizados 215 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul. A partir de 2003, foram concluídos 504 quilômetros entre Aguiarnópolis (TO) e Palmas (TO).

b. De 2008 até junho de 2012 já foram transportados quase 9 milhões de toneladas de grãos, minério de ferro e areia na Ferrovia Norte-Sul.

c. Em 2014, a Ferrovia Norte-Sul terá 2.255 quilômetro em operação: de Açailândia (MA) até Estrela D´Oeste (SP).

d. Em complemento, serão leiloados no segundo semestre de 2013 a concessão para construção e operação dos segmentos entre Açailândia (MA) e Vila do Conde (PA), fazendo a ligação da ferrovia ao norte para o Porto de Vila do Conde (PA); e entre Estrela D´Oeste (SP) – Panorama (SP) – Maracaju (MS) – Paranaguá (PR), complementando a ligação da ferrovia com portos do sul do país.

e. O PAC marca a retomada do modal ferroviário no transporte de cargas no Brasil, que manteve sua malha estagnada até meados de 1996.

f. O PAC representará uma ampliação da malha ferroviária de 5.050 quilômetros até 2016, muito superior aos 719 quilômetros de expansão da malha nos 20 anos que o antecederam. Além da Norte-Sul, destacam-se grandes obras como:
114 quilômetros em operação da Ferronorte, entre Alto Araguaia (MT) e Itiquira (MT).
146 quilômetros da Ferronorte, em fase final de obras: Itiquira (MT) e Rondonópolis (MT)
Ferrovia Transnordestina – 1.728 km
Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL) – Ilhéus (BA) – Barreiras (BA) – 1.022 km

g. Além disso, o Governo Federal lançou em agosto de 2012 o Plano de Investimentos em Logística (PIL), que prevê a ampliação da malha ferroviária nacional em mais de 10 mil km. Os leilões de concessão desses novos segmentos ferroviários estão previstos para o 2º semestre de 2013.

h. O planejamento de expansão da malha ferroviária pelo Governo Federal, somando PAC e as concessões permitirão a sua ampliação em mais de 15 mil km, mais de 50% da malha hoje existente, 28.700.

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão
Ministério dos Transportes
Secretaria de Portos
Valec Engenharia, Construções e Ferrovias SA

Post de 

6 Comentários

  1. anonimo

    25 de abril de 2013 - 10:32 - 10:32
    Reply

    Difícil questão. Acreditar na Globo ou num Ministério que foi marcado por corrupção? Por que o Ministério dos Transportes não emitiu nenhuma nota sobre o diretor da Valec afastado e que responde por corrupção? A reportagem pode ter sido fantasiosa, mas o atual governo do Brasil é o que?

  2. apinajé

    24 de abril de 2013 - 20:11 - 20:11
    Reply

    em matéria de mentir,essa é briga de cachorro grande,a globo como sempre com seus interesses pouco ortodoxos e o governo que embora essa questão já se arraste desde sempre,não tem como negar que na gestão PTralha,”nunca antes nesse país se mentiu tanto”e os interesses do Brasil continuarão fora doas trilhos.

  3. Adir Castro

    24 de abril de 2013 - 17:47 - 17:47
    Reply

    Claro, eu sei, que esse trecho entre Imperatriz e Açailândia, foi feito ainda no governo Sarney. Desse ponto em diante eu não sei como é feito.

  4. Adir Castro

    24 de abril de 2013 - 17:46 - 17:46
    Reply

    Só se mudaram, mas os trilhos da Ferrovia Norte Sul eram parafusados em partes, o que fazia com que o trem de passageiros fosse jogado de um lado para outro dos trilhos, impossibilitado de desenvolver uma velocidade maior pelo risco de descarrilhamento. Digo isso porque quando o trem de passageiros funcionava, isso muito tempo atrás, fiz o trajeto entre Imperatriz e Açailândia para fazer a conexão com o trem de Carajás por várias vezes. Já os trilhos da Ferrovia Carajás são soldados e o trem de passageiros anda muito mais rapidamente. A diferença entre os dois trilhos, pelo menos nesse trecho, é gritante.

  5. Flávio

    24 de abril de 2013 - 17:44 - 17:44
    Reply

    Qual a possibilidade, caro Hiroshi, de termos o acesso as informações descritas acima de forma que possamos realmente comparar o que esta sendo dito por ambas as partes?

  6. Spring

    24 de abril de 2013 - 14:33 - 14:33
    Reply

    Aprende TV Globo! É isso que faz um jornalismo competente, procura a veracidade das informações.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *