A ditadura do prefeito de Tucumã

Publicado em 1 de julho de 2007

Antonio Barbosa Soares, 74 anos, conhecido como “Cabeça Branca”, é presidente de uma associação de trabalhadores rurais e vice-presidente da Comissão Pró-Tucumã que vem lutando para afastar do cargo o prefeito do município Alan Azevedo (PR), acusado de uma série de irregularidades administrativas. Na última sexta-feira (29), Antonio trabalhava em sua banca na feira municipal quando foi coagido pela presidente do Cisju (Conselho Interativo de Segurança e Justiça), Socorro Biagi, também assessora de confiança do prefeito.
Acompanhada de uma advogada da prefeitura de nome Shirley, do delegado de policia civil, Marco Antônio Pitman; e do tenente da PM Campos, juntamente com vários soldados, a dirigente do Cisju declarou ao feirante que a partir daquele momento ele estava proibido de fazer manifestações na cidade, com ameaça de que poderia ser preso caso continuasse convocando a população a se manifestar contra o prefeito municipal. Segundo e-mail encaminhado pela Comissão Pró-Tucumã, diversas pessoas testemunharam o constrangimento da pressão policial.
“Cabeça Branca” é uma das lideranças que tem liderado o povo de Tucumã em caminhadas pelas vias públicas protestando contra o prefeito que vem realizando péssima gestão. A cidade não tem água potável, as ruas sem calçamento, saúde pública inexistente e suspeitas de desvio de recursos. A rádio comunitária Tucumã FM 104,9 e carros de som à serviço da Comissão Pró-Tucumã sofrem constantes ameaças de cassação de seus alvarás.
A Comissão Pró-Tucumã encaminhou à Câmara Municipal quatro denúncias contra Alan Azevedo. Três delas foram arquivadas e a quarta nunca foi colocada em votação devido manobras da base de sustentação do prefeito negando quorum.