Hiroshi Bogéa On line

Lucro da JBS salta 557%, mas empresa não investe para acabar com a fedentina que exala Marabá

A JBS, maior produtora de carnes do mundo, registrou lucro líquido consolidado de 1,657 bilhão de reais no segundo trimestre, um salto de 557 por cento ante mesma etapa de 2015, apoiada na melhora de resultados financeiros.

Poucas empresas do mundo tiveram ganhos tão extraordinários.

A JBS festeja o resultado financeiro de suas unidades espalhadas pelo mundo, mas a população de Marabá só tem a lamentar a presença dela em seu território.

Porque é da unidade do frigorífico da multinacional que exala mau cheiro insuportável, principalmente na parte noturna.

Problema que se arrasta há anos, sem que nenhum santa-autoridade tenha peito para enfrentar o problema de frente, a favor da comunidade.

A fedentina, principalmente, cobre a área urbana de Marabá no período noturno.

À noite, como fica difícil localizar o fumaceiro que sai da graxaria da unidade industrial, é quando se processa industrialmente os subprodutos (ossos, gorduras, sangue, etc) em sebo e em farinha.

A graxaria da JBS é a verdadeira e única responsável pela agressão à saúde da população e ao meio ambiente.

Esse problema arrasta-se por mais de dez anos.

Enquanto isso, Ministério Público e Judiciário, dando milho aos pombos.

Mas, pensando bem, faz sentido.

Quem vai encarar uma empresa que em a cada três meses fatura mais de 1,5 bilhão?

Se fosse uma graxaria de pequenos  empreendedores,. já havia sido enterrada há muitos anos.

 

Post de 

2 Comentários

  1. Adir Castro

    12 de agosto de 2016 - 20:29 - 20:29
    Reply

    O que a ACIM tem haver com a fedentina? JBS a muitos anos adquiriu o frigorífico do Bertin e isso é uma causa ambiental que a empresa não cumpre ou não é devidamente cobrada pra cumprir. Por ser uma causa ambiental o município e o estado possuem órgãos para fiscalizar, nada tendo haver com a ACIM. Francamente…

  2. Otávio Barbosa

    11 de agosto de 2016 - 11:26 - 11:26
    Reply

    Onde está a ACIM, que poderia intervir. pois, a empresa é do ramo da industria. Quando é para propagar esses investimento, eles sempre argumentam que vai gerar emprego e esquecem de acompanhar o andamento do investimento e se o custo beneficio do empreendimento corresponde o propagado.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *