Hiroshi Bogéa On line

Luiz Carlos Pies divulga diferenças de gratificações pagas a alguns professores de Marabá

O prefeito interino de Marabá, Luiz Carlos Pies, tem insistido em ratificar seu pensamento a respeito da atual situação financeira da folha salarial do setor educacional de Marabá.

Seja através de  posts publicados em suas redes sociais ou enviando mensagens aos  grupos de Whatsapp, Luiz  Carlos sempre convida a população a refletir sobre os números por ele apresentados – e que representariam um dos problemas enfrentados pelos gestores do município na busca por soluções para a insolvência das contas municipais.

Neste domingo, 31, LCP compartilhou mais um texto, agora comparando a diferença percentual  das gratificações pagas a alguns professores de Marabá com as gratificações de educadores da Secretaria estadual de Educação.

Leiam o texto do prefeito interino:

——————–

 

Os professores municipais de Marabá,  pelo atual PCCR (que vem sendo questionado há muitos anos), recebem da Semed, as seguintes gratificações, em acréscimos porcentuais, em relação aos seus salários:

  1. Especialização: 50% de acréscimo;
  2. Mestrado: 100%;
  3. Doutorado: 150%.

Os professores estaduais recebem da Seduc as seguintes gratificações:

  1. Especialização: 10%;
  2. Mestrado: 20%;
  3. Doutorado: 30%.

Todos são representados pelo mesmo Sintepp.

NA SUA OPINIÃO, POR QUE ISSO ACONTECE?

Tem professor municipal, por exemplo, que recebe 14 mil reais por mês para dar aula no ensino fundamental. Numa sala ao lado, na mesma Escola, trabalha um outro professor e ganha 2 mil e quinhentos reais por mês. “Se brincar”, os alunos deste último tiram notas melhoes do que os do primeiro…

Você  acha isso justo, legal e sustentável?

Além disso, a Administração  Pública Municipal vai provar na justiça agora que centenas de progressões foram ilegalmente concedidas e terão que ser revogadas…

“Dai a César o que é de César”!

Post de 

6 Comentários

  1. Osmary

    2 de agosto de 2016 - 20:16 - 20:16
    Reply

    Se as progressões foram concedidas de forma Ilegal, o quadro de procuradores da PROGEM (procuradoria do Município) terá que Responder pelos ERROs. No Civil e Criminal. Afinal, são os procuradores de deferem os ṕedidos de Progressão. Cuidado Sr prefeito, nenhum Professor Arrancou a Progressão Funcional… obtivemos de forma Legal com Parecer favorável dos procuradores do Município. Com suas afirmações equívocadas, o Sr colocar em dúvida a Seriedade do trabalho de toda PROGEM e todos serão (em breve) Réus em processos.

  2. MARIA DO AMPARO GOMES CARDOSO

    2 de agosto de 2016 - 08:36 - 8:36
    Reply

    SÓ PARA CORRIGIR.

    ART. 62, PCCR: Nível II de especialista, calculado o acréscimo de 25% sobre o vencimento de NI.

  3. Goreth

    1 de agosto de 2016 - 21:47 - 21:47
    Reply

    Convenientemente o prefeito esqueceu de mencionar que a gratificação de nível superior do Estado é de 100% e do município de 50%.

  4. Catiane

    1 de agosto de 2016 - 13:41 - 13:41
    Reply

    Prefeito deveria se informar melhor: na rede estadual professor ganha 10% de especialização mas tem 80% de gratificação de titularidade de nível superior q somado da 90%, já no município são APENAS 25% de especialização q somado 50% de titularidade dá 75%… QUE TAL. Então ele igualar a gratificação do município com a do Estado…!!??

  5. Rosilda

    1 de agosto de 2016 - 10:49 - 10:49
    Reply

    Prefeito incompetente. Não sabe nem qto um especialista ganha. São apenas 25% dados legalmente, e não 50%. Esses 25% foram concedidos pela justiça.

  6. NELQUINA SILVA DE AZEVEDO

    1 de agosto de 2016 - 10:01 - 10:01
    Reply

    O prefeito deveria se informar melhor sobre as gratificações, pois especialização não recebe 50% e sim 25%. Esses erros podem ser duas coisas: um desinformação ou maldade mesmo. Eu acredito q seja a segunda opção. E mais nenhum professor é ordenador de despesas nem calcula o próprio salário.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *