Hiroshi Bogéa On line

Vergonha internacional, Coronel Nunes é “tangido” do camarote da Fifa, em Moscou

O paraense Coronel Antonio Nunes, Presidente da CBF,  foi colocado longe do presidente da Fifa, Gianni Infantino, no camarote oficial do estádio do Spartak, em Moscou.

Ex-presidente da Federação Paraense de Futebol, Nunes, que vem constrangendo a CBF, deveria se sentar ao lado do cartola máximo do futebol, conforme estabelece o protocolo da Fifa em jogos da Copa do Mundo.

Em seu lugar, foi estabelecido que o representante brasileiro seria Fernando Sarney, vice-presidente da CBF e membro do Conselho da Fifa. Nunes ainda teve de ceder mais um lugar para Alejandro Domingues, presidente da Conmebol. Só depois é que o coronel pode encontrar um lugar.

Dentro da Fifa e da Conmebol, sua presença é motivo de mal-estar e não são poucos os que não querem contato com o brasileiro. Infantino já chegou a sugerir seu afastamento. Na Confederação Sul-americana, também foi debatido entre os dirigentes uma formula para que ele deixasse de participar das reuniões.

Mas as dificuldades são importantes para o afastar: ele é o presidente legal e não quer abrir mão de um salário mensal de R$ 75 mil até abril de 2019, quanto termina seu mandato.

Nunes, que era considerado apenas como uma figura decorativa até que Rogério Caboclo assumisse em 2019, acabou se transformando em um problema para a CBF.

Ele assumiu a presidência no lugar de Marco Polo Del Nero, banido do futebol por corrupção.

Mas, em Moscou, causou uma série de constrangimentos.

O primeiro deles foi seu voto para o Marrocos, na disputa sobre quem receberia a Copa de 2026. O acordo na América do Sul era de que todos votariam pelos americanos.

Se não bastasse, um de seus assessores, Gilberto Batista, se envolveu em uma briga com um torcedor e acabou sendo enviado de volta ao Brasil.

Ao lado de Infantino, além de Sarney a sua direita, estava na ao lado esquerdo Dmitry Medvedev, primeiro-ministro da Rússia.

Post de 

1 Comentário

  1. Apinajé

    28 de junho de 2018 - 08:56 - 8:56
    Reply

    Pelos nomes citados na reportagem,vejo se confirmar minhas suspeitas,o futebol de hoje não passa de negócios onde os interesses financeiros se sobrepõem a arte dentro das quatro linhas.
    Se o “nobre”CEL.Nunes fosse diferente dos demais,se sentiria honrado por está afastado desses senhores da maior lavanderia de dinheiro sujo do mundo,fico imaginando o tamanho do “legado”que ficará para o povo russo depois da copa,já para Medvedev e Putin não tenho a menor dúvida,esse evento deixará poupudos lucros os quais serão distribuídos em cotas percentuais aos seus apoiadores.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *