Hiroshi Bogéa On line

Quadrilha que desviava dinheiro de prefeituras começou a ser desarticulada no Pará

 

Quadrilha suspeita de envolvimento com fraudes de licitações em prefeituras do interior do Pará, começou a ser desarticulada na manhã desta sexta-feira, 9, pela Polícia Federal.

De acordo com a PF, o prejuízo pode chegar a R$ 40 milhões em recursos desviados do Sistema Único de Saúde (SUS) e de programas como o Fundo de Manutenção da Educação Básica.

Agentes estão cumprindo nove mandados de prisão e 30 de busca e apreensão, sendo 20 em casas e empresas investigadas, e 10 nas prefeituras de Cachoeira do Piriá, São Caetano de Odivelas, Ipixuna do Pará, Mãe do Rio, Marituba, Ourém, Santa Maria do Pará, São Miguel do Guamá, Viseu e Marapanim.

Segundo as investigações, os suspeitos de participação no esquema criminoso usavam empresas de fachada para participar de processos de licitação, oferecendo produtos que não eram entregues às prefeituras.

—————

Atualização às 12h03

 

Os criminosos, segundo informou há pouco a PF, vinham agindo desde 2013 na Região Metropolitana de Belém e no interior do estado, e começou a ser investigado em 2017, após diversas denúncias de irregularidades chegarem aos órgãos federais de fiscalização.

Os trabalhos da Polícia Federal demonstraram que a organização criminosa criava empresas “de fachada” para participar entre si de procedimentos licitatórios e contratar com as prefeituras alvo da operação.

No período investigado foram movimentados mais de R$ 40 milhões provenientes de recursos públicos desviados do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), e do Sistema Único de Saúde (SUS), além de outros programas federais.

O relacionamento financeiro entre as empresas, e destas com membros da organização criminosa, responsáveis por operações suspeitas, recebimentos indevidos e saques em espécie de altos valores, foram identificados pelas provas colhidas.

As investigações também apontam que quase a totalidade dos produtos vendidos para as prefeituras provavelmente não foram entregues, o que indica a participação de funcionários públicos municipais e até mesmo gestores.

Entre os investigados, aparece Felipe Barbalho, primo do governador eleito do Pará, Helder Barbalho, e o deputado federal eleito pelo PR-PA, Cristiano Vale, que é ex-prefeito de Viseu, e irmão de Lúcio Vale, vice-governador eleito na chapa formada pelo MDB.

Nas residências e prédios públicos ligados aos investigados, a PF apreendeu documentos, joias e dinheiro. Além de ouro avaliado em mais de R$ 35 mil. Cerca de 1500 dólares também foram encontrados pela polícia.

Os investigados vão responder pelos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, fraude ao caráter competitivo dos procedimentos licitatórios, dispensa ou inexigibilidade indevida de licitação e lavagem de dinheiro.

Post de 

2 Comentários

  1. Luis Sergio Anders Cavalcante

    13 de novembro de 2018 - 15:16 - 15:16
    Reply

    Verdade Apina, não à toa os caras perseguem a proteção da famigerada “imunidade parlamentar”. 13.11.18, Mba.-PA.

  2. Apinajé

    9 de novembro de 2018 - 15:01 - 15:01
    Reply

    Desarticula uma,e outra ascende ao poder legitimada pelo voto do povo.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *