Hiroshi Bogéa On line

Movimentação intenso nas ruas de Marabá potencializa risco de crescimento exponencial da Covid-19 previsto por professora da Unifesspa

Liberou geral!

Esta semana foi um período de extrema dificuldade para as autoridades estimularem o isolamento social.

Embora a prefeitura de Marabá tenha revogado decreto que abria  as lojas de Marabá, ninguém obedeceu.

Em pleno pico do coronavírus no país, principalmente no Estado do Pará, a cidade parece estar vivendo tempos normais.

A vida nas ruas  ganhou frenética movimentação em todos os sentidos.

O risco agora é grande de Marabá passar a figura entre os municípios com registro constante de casos positivos da Covid-19.

Autora de estudos estatísticos que preveem crescimento exponencial do coronavirus no Pará,  professora  Ana Cristina Viana Campos,  da Faculdade de Saúde Coletiva, da Unifesspa,  concluiu atualização da contagem  de casos da Covid-19, no Pará.

Ana Cristina tem dados estudados que mostram o risco do estado do Pará chegar a ter mais de 360 casos positivos da doença, em trinta dias.

A atualização de suas análises confirma esse risco.

Como ela mesmo diz, “somente ontem, 3 de abril, o Estado do Pará alcançou número recorde de casos conformados (26 casos), representando 34,6% de todos os casos registrados no estado até o presente momento, e com tendência  exponencial de aumento do número de casos-  algo em torno de 97,5%”.

Em outro plano, a professora da Unifesspa diz que de 75 casos confirmados no Pará, 40 casos  foram registrados entre os dias 1 a 3 de abril –  53,3%.

-“42 casos são de Belém, ou seja, 56%;  41 casossão do sexo feminino (54,7%) e 57 casos ocorreram entre 25 a 59 anos de idade (ou seja, 56%” diz Ana Cristina, preocupada com o aumento da doença no Pará.

Abaixo,  novos gráficos (atualizados) produzidos a partir dos estudos da professora da Unifesspa.

 

Post de 

3 Comentários

  1. Apinajé

    5 de abril de 2020 - 17:15 - 17:15
    Reply

    Meu vizinho morreu de COVID 19,O coitado tinha 107 anos,tinha cirrose hepática,miocardite aguda,seus rins, só tinam 15% da função,havia amputado uma das pernas por conta de um diabetes descontrolado,recentemente foi atropelado por um ônibus que manobrava no terminal e quebrou o antebraço,fumou até 75 anos por conta do tabaco adquiriu um insuficiência respiratória aguda,aí vem esse maldito coronavírus e liquida seu Marcos,Pior de tudo, essa é uma história verdadeira. ele consta nos números de São Paulo para vítimas fatais da covid19.
    Porquê relatei essa História?Não sei bem ao certo,mas, acho que serve para a gente refletir,como não tenho conhecimento científico sobre a questão,exerço o meu direito de Palpiteiro de plantão e digo que estão botando na conta do CORONA óbitos que não lhe cabem como causa principal.Eu mesmo não tendo sido pego pela pandemia,certamente não escaparei de seus reflexos econômicos,esses sim,virão com contornos de catástrofe.

  2. JAIME LEÃO

    4 de abril de 2020 - 23:06 - 23:06
    Reply

    ENTÃO TÁ, A GENTE FICA ASSIM: ESSA EPIDEMIA QUE Ñ MATOU NINGUÉM NO PARÁ, VAI DESTRUIR A ECONOMIA. E A BACANA QUE FEZ A
    PROFECIA CONTINUA RECEBENDO PARA TOCAR O TERROR E DO QUANTO PIOR MELHOR.

  3. paulo victor monteiro

    4 de abril de 2020 - 20:57 - 20:57
    Reply

    Anotem o final dessa história, o governador do Estado vai ficar junto com seu secretario de saúde falastrão, abracados dentro dos 3 hospitais de campanha, sozinhos, pois conforme os dias passam o povão começa a perceber o movimento de politicagem, e a ouvir autoridades sérias e competentes sobre o alcance desse virus.
    Nossa tempetatura e umidade, impedem a severidade deste virus que se ambienta na faixa dos 15* graus para baixo.
    Hoje os 7 governadores do sul e sudeste do país, pediram arrego ao Presidente da República, pois,pasmem, vão ficar sem dinheiro, kkkkkkkk
    Que se lasquem eles e todos que embarcaram nessa onda.
    Acharam que poderiam mandar fechar o País, agora desmanchem esse angú que criaram.
    Força brasileiros do bem.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *