Hiroshi Bogéa On line

Mares de Anos Novos

Todo ano é a mesma coisa.

Na chegada de 31 de dezembro, me ponho a pensar em quantos Anos Novos já se passaram…

O Ano Novo vivendo sua impagável travessura de reinventar e desmanchar os dias.

E fico assim, imaginando no ano que se foi, pensando em toda a penca de anos que ficaram pra trás.

Anos do calendário cristão, anos de calendários outros, anos tantos passados sem sequer saber que eram anos, no tempo em que a natureza experimentava seu modo de criar o mundo sem que houvesse marcas de tempo.

Difícil entender?

Talvez não, espero.

Demasiadamente quão inadequado, considero, a expressão “ano velho”, porque os anos nada mais são do que um exuberante cacho de dias, enfileirados, pendentes à tarde, caindo à noite de maduros.

Quando o último dia do ano cai, como se fosse um fruto madurinho do alto de um galho, festejado pelos olhos gulosos de um monte de meninos, nem sequer sobra tempo para que se forme a crosta de resina na árvore do tempo.

O ano que surge, feito de novo em fruto estufando de vida, à espera de atos que os diferenciem, que os identifiquem num calendário comum, revestido dos anseios e desejos dos homens.

O que envelhece, pois, não são os anos.

Envelhecem os relógios e suas engrenagens.

Sobretudo, envelhece a vontade do homem de viver os seus sonhos, que se vão quedando feito cordeiros domesticados no íntimo porão das lembranças.

Os anos nunca serão velhos, na sua eterna criancice de estufar dias como se fossem bolhas de sabão, frutos de tempo, bolas coloridas de soprar.

Velhos serão os homens, enquanto não aprenderem a pendurar seus sonhos no redemoinho feliz desse eterno presente que eles próprios chamam de anos.

E para que a humanidade possa ter paz, nada melhor que dedicar este símbolo maior da natureza a todos: Feliz Ano Novo.

Post de 

5 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    1 de janeiro de 2011 - 22:11 - 22:11
    Reply

    Obrigado, vereadora. 2011 também prenhe de realizações em sua vida política e pessoal. Abraços

  2. Irismar Sampaio

    1 de janeiro de 2011 - 16:48 - 16:48
    Reply

    Caro amigo,
    O texto em tela nos remete a uma pertinente reflexão… e nesse sentido, quero registrar minhas felicitações!!! desejando ao nobre amigo e sua familia muitas alegrias… que o ano de 2011 seja refleto de realizações. que possas viver intensamente cada momento com muita paz e esperança, pois a vida é uma dádiva e cada instante é uma benção de Deus.
    Um grande abraço,
    Sua amiga,

    Irismar Sampaio

  3. Hiroshi Bogéa

    31 de dezembro de 2010 - 22:11 - 22:11
    Reply

    Plínio e Arnilson, meu agradecidos votos de felicidades, e a retribuição em dobro de uma nova era de realizações em suas vidas. de Coração.

  4. CLUBE DE XADREZ MARABÁ

    31 de dezembro de 2010 - 21:33 - 21:33
    Reply

    Belíssimo texto, fruto da maturidade, da paz, sabedoria e alma poética.

    Desejo-lhe a você e a todos que compartilham vosso saber um espetacular 2011, cheio de paz, segurança e prosperidade, claro, com o bondoso Deus ao nosso lado.

    Arnilson

  5. Plinio Pinheiro Neto

    31 de dezembro de 2010 - 15:21 - 15:21
    Reply

    Caro Hiroshi.

    Belissimo comentário.Faz justiça à tua alma de poeta.Recebi de um amigo, o Pastor Marcos Goes e mando para ti este poema que fala do mesmo tema:

    RECEITA DE ANO NOVO.

    Carlos Drummond de Andrade

    Para você ganhar belíssimo Ano Novo
    cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
    Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
    (mal vivido ou talvez sem sentido)
    para você ganhar um ano
    não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
    mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
    novo
    até no coração das coisas menos percebidas
    (a começar pelo seu interior)
    novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
    mas com ele se come, se passeia,
    se ama, se compreende, se trabalha, Carlos Drummond de Andrade
    você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
    não precisa expedir nem receber mensagens
    (planta recebe mensagens?
    passa telegramas?).

    Não precisa fazer lista de boas intenções
    para arquivá-las na gaveta.
    Não precisa chorar de arrependido
    pelas besteiras consumadas
    nem parvamente acreditar
    que por decreto da esperança
    a partir de janeiro as coisas mudem
    e seja tudo claridade, recompensa,
    justiça entre os homens e as nações,
    liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
    direitos respeitados, começando
    pelo direito augusto de viver.

    Para ganhar um ano-novo
    que mereça este nome,
    você, meu caro, tem de merecê-lo,
    tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
    mas tente, experimente, consciente.
    É dentro de você que o Ano Novo
    cochila e espera desde sempre.

    xxxxxxxxxxxxxxxQue DEUS te abençoe e aos teus de forma maravilhosa neste final de ano e por todo o vindouro ano de 2011.

    Um grande abraço do amigo

    Plinio Pinheiro Neto

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *