Hiroshi Bogéa On line

Defendendo o estupro da Língua Portuguesa

 

 

reformaortografica-295x300O omem disse que oje vai xover.

É assim que passaremos a escrever se forem aprovadas as mudanças sugeridas para n

uma nova reforma ortográfica da língua portuguesa, em debate no Senado da República desde o ano passado.

A proposta de mudança feita pelo professor Ernani Pimentel, dono de uma rede de cursos preparatórios, inclui também outras mudanças.

Por exemplo, palavras grafadas com “Ç”, “SS” e XC passariam a ser escritas com um “S”. A simplificação do idioma inclui a extinção do H no inicio das palavras, bem como do CH, que seria substituído por X.

Na noite de sábado, 14, eu assisti a um debate de Ernani Pimentel com outros protagonistas, na TV por assinatura, ratificando sua proposta, hoje apoiada por alguns congressistas.

Como está dito acima, Pimentel é dono de uma rede de cursinhos pré-vestibular.

Claro, o interesse dele é “reensinar” a língua portuguesa, dentro das novas regras, ampliando suas bancas de faturamento.

Muitos professores de português de todo o país têm se manifestado contra.

Alguns acham uma besteira sem tamanho o argumento de Pimentel de que a simplificação facilitaria o aprendizado.

A dificuldade de alfabetizar não diz respeito à grafia das palavras, mas sim ao método de ensino do professor.

O assessor do Museu da Língua Portuguesa e professor da USP, Ataliba de Castilho, no debate da televisão de sábado, disse  que “é preciso o professor ajudar o estudante a compreender as diferenças entre língua falada e escrita. Mudar as letras não muda esse processo.”

 

O professor Ernani Pimentel faz parte do grupo de trabalho técnico do Senado criado no ano passado para revisar o acordo ortográfico de 2009.

São ridículas, patéticas e merecem todo o desprezo da comunidade de linguistas do Brasil, essas tentativas de estrupo de nossa Língua. .

O argumento de que as novas mudanças facilitariam o aprendizado não é válido.

Aprender a escrever em chinês é muito mais complicado do que aprender a escrever em português, e 94% dos chineses são alfabetizados.

A questão é alfabetizar e letrar a população. A ortografia pode ser qualquer uma.

Essas mudanças lembram  a história do cara que pede a secretária para redigir uma convocação de todos os empregados para uma reunião na sexta feira. A moça para de escrever e levanta sua dúvida :

                       

                        – Chefe, sexta é com s ou com x?

E o chefe: – Transfere pra quinta.

 

E tudo disso diante do novo Acordo Ortográfico, assinado em 2008, e que entrará em vigor em 2016.

Até lá, vão tentar fazer mais mudanças na “última flor do Lácio, inculta e bela”, como diria Olavo Bilac.

Post de 

3 Comentários

  1. Joao

    7 de agosto de 2015 - 19:34 - 19:34
    Reply

    E se vai criticar alguma coisa, primeiro entenda o que quer criticar. A frase que inicia sua crítica, de acordo com a simplificação, seria: O omem dise qe oje vai xover. E o texto da figura: eu asino embaixo.

  2. Joao

    7 de agosto de 2015 - 19:31 - 19:31
    Reply

    Reconhecendo a dificuldade da língua chinesa, foi criado o chinês simplificado. Se você fosse chinês, teria criticado a simplificação do chinês da mesma forma que critica a do português. Abra um pouco a mente e veja que a simplificação melhora a vida de todos, inclusive a sua. Além do mais, o português já passou por várias reformas, e graças a isso você não precisa escrever diphthongo e pode escrever ditongo. Repare que sua vida já é facilitada pelas reformas do passado, as quais você acharia patéticas, se vivesse na época em que foram propostas.

  3. Apinajé

    16 de março de 2015 - 08:59 - 8:59
    Reply

    Par um povo que elege o tiririca,o marquito (comediante do ratinho)como vereador de são paulo,e um ex presidente que ao ser diplomado como tal, ressaltou com orgulho que aquele era seu primeiro diploma,não dá para esperar muito da intelectualidade brasileira.
    isso é uma pequena amostra das aberrações que acontecem nesse Brasil de meu Deus.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *