Hiroshi Bogéa On line

Com cinco restrições no CAUC, Marabá é terra arrasada

 

 

O município de Marabá termina o ano de 2012 com cinco restrições no CAUC –  Cadastro Único de Convênio – uma ferramenta de gestão do governo federal que disponibiliza dados  com transparência, eficiência e agilidade para a verificação dos documentos comprobatórios exigidos no ato da formalização de convênios e recebimento de recursos públicos.

Com cinco restrições no órgão controlador,  a Prefeitura de Marabá não  está apta a selar convênios com a esfera federal,  incluída na situação de inadimplência.

Esse será  o maior obstáculo a ser enfrentado pelo futuro prefeito João Salame –  entre muitas adversidades escancaradas  -, para viabilizar os recursos que conseguiu aprovar em Brasília, destinados a obras importantes na cidade.

Além de salários atrasados de seus servidores, o status de inadimplência da prefeitura o coloca na zona morta de investimentos, correndo ainda o risco de ter os repasses obrigatórios constitucionais bloqueados, para o cumprimento de pendências de toda ordem.

Marabá vive o seu pior momento administrativo, em toda a história do município.

Nesta sexta-feira, o blog tratará desse tema com maior abrangência.

 

Post de 

9 Comentários

  1. Antonio Carlos Pereira

    27 de dezembro de 2012 - 03:21 - 3:21
    Reply

    Enquanto isso um dos filhos do alcaide Maurino, lépido, fagueiro e provavelmente com muito “dindin” no bolso, dá um tapa na cara de cada um de nós e dos trabalhadores da prefeitura, desfilando pelas ruas num vistoso e caríssimo Chevrolet Camaro. Eita terrinha….. 27.12.12.

  2. Anônimo

    22 de dezembro de 2012 - 20:58 - 20:58
    Reply

    Anônimo,
    Realmente é revoltante saber que esses vereadores que estão ai há vários mandatos continuem se reelegendo, não consigo ver outra explicação a não ser compra de voto. Penso que a população precisa refletir muito sobre o seu voto, haja vista o que elegeram para prefeito e o desastre que hoje vivemos. A epoca da eleição de 2008 via nas pessoas a idolatria por Maurino e ficava encabulada pois era claro que esse senhor não teria competência para administrar o municipio. Um homem que em qualquer evento que vai inicia sua pobre fala como se fosse um culto jamais poderia dar certo. Meu Deus me pergunto porque as pessoas não viram isso. E os vereadores o que estavam fazendo esses 4 anos? Claro, com certeza mamando nas tetas desse governo. Oh! povo marabaense sofredor, espero que isso sirva de lição para os próximos pleitos

  3. Marcos

    21 de dezembro de 2012 - 11:11 - 11:11
    Reply

    Como filho de Marabá e vivendo hoje em outro município é com muito pesar que ouço esta notícia. Ainda em 2010, mas precisamente em dezembro, avisei aos meus familiares que Marabá enfrentaria grande problemas econômicas, após fazer uma larga pesquisa sobre o futuro econômico da cidade (que bem antes em 2002 me fizeram abandonar a cidade, após concluir meu ensino superior). Com estas constatações dois irmãos meus já também saíram da cidade.
    Só não conseguia esperar que seria ainda mais grave. Minha saída foi motiva pelo poder público, uma vez que poucos são os concursos públicos com honradez aos profissionais na área de educação que são constituídos em Marabá (um exemplo contrário a isto foi o feito na era Veloso/Tião, quando a secretaria de educação, agindo em beneficio próprio, fez um único na época), pedi demissão de meu concurso público técnico que já exercia à dois anos e dez meses e sair.

    Agora vejo que a administração público só vai de mal a pior.

    Os filhos de Marabá terão que continuar saindo desta cidade? Até quando?

    Percebi que, acreditando em Deus o povo colocou um cidadão que se dizia filho e melhor representante Deste na prefeitura, mas o resultado foi o pior, como é visto na reportagem.

    Acredito que é hora de todo os Marabaenses fazerem uma análise de consciência (tanto os que ainda estão, como os que estão longe), é começarmos a fazer uma reformulação de nossos amores e projetos da e para a cidade de Marabá. Uma história linda de derrotas e vitórias não podem terminar em uma cidade fantasma.

    Espero que o novo prefeito (que já começa com grandes problemas – externos e internos), tenha consciência de que possui mais que um desafio político: Tem um desafio de vida e sobre vida: lidará não apenas com finanças, acordos e sim com a história de um povo forte, desbravador e sonhador – igual ao que meus pais os eram (e são pois ainda estão em Marabá) quando deixaram o Maranhão na década de 70 para fincar nossas vidas aqui.

    Hiroshi, você consegue manter o que sinto hoje ainda vivo, obrigado por isto.

    Aos evangélicos peço, não se deixem levar por politiqueiros… Façam com que Deus possam também dominar à administração. Não permitam que seus lideres sejam tão covardes. Isto não é de Deus…

    Aos católicos, continuemos colocando Deus em nossas vidas e sempre rezando pelo melhor para todos nós, sei que temos muitos padres de bom coração, fortes na fé e trabalhando para isto.

    Aos sem credo, peço que possam dar o melhor de cada um, pois nossas vidas e de todos dependem do que cada um de nós fazemos no dia-a-dia. Lembrem-se, muitos vão e vem, mas muitos ficam e sofrem por demais.

    Sejamos fortes na fé e que Deus abençoe sempre nossos pensamentos e práticas. Dias melhores virão com a graça de Deus.

    • Hiroshi Bogéa

      21 de dezembro de 2012 - 12:57 - 12:57
      Reply

      Marcos, essa história vai mudar, tenha certeza. E é tempo de voc~e voltar para a cidade que você ama. Aqui é o seu lugar e de seus demais familiares. Não desista, querido. Feliz Natal!

  4. João Dias

    21 de dezembro de 2012 - 10:24 - 10:24
    Reply

    Fatos & Notícias

    Fatos e acontecimentos político-sociais dessa natureza em tempos próximos passados, não eram, sequer conhecidos da sociedade, contudo, MARABÁ, RICA E POPULOSA abençoada pels Deuses, vivia dias melhores e prósperos.

    Hoje, menos pior do que antes, Blogs e redes sociais estão entre os fenômenos mais importantes da comunicação, contribuindo para a notícia dos fatos e fortalecimento da Cidadania, da Democracia em todos os tempos.

    VIDA LONGA e Feliz Natal ao Blog e ao seu administrado Hirosh Bogéa, um cidadão à frente do seu tempo!

    João Dias

    • Hiroshi Bogéa

      21 de dezembro de 2012 - 12:54 - 12:54
      Reply

      João Dias, meu carinho pela sua presença sempre irretocável, aqui no blog. Feliz Natal e você e a toda sua família, garoto.

  5. Verdadeiro

    21 de dezembro de 2012 - 07:12 - 7:12
    Reply

    Sinceramente nunca esperava ver esse tipo de coisa, o prefeito faz da Lei Orgânica do Município de Marabá um papel higiênico, ninguém toma providência:

    Parágrafo único. O pagamento dos vencimentos aos servidores será efetuado, no máximo, até o dia dez do mês subseqüente, com antecipação desta data se coincidir com feriado ou final de semana.

    O cara vai aos órgãos de imprensa e assume que não vai pagar porque a PMM não tem dinheiro, isso não seria uma prova cabal de descumprimento? Então porque ninguém faz nada? Cadê as autoridades deste município?
    Esse prefeito sem escrúpulos não gostem que diga que o governo dele foi um desastre, insiste que é um excelente administrador,agora a cidade está vivendo o pior cenário político-administrativo de todos os tempos, então surge a dúvida: ele é ladrão ou incompetente? Fica a pergunta no ar, mas um dos dois ele é com certeza.
    Os servidores públicos estão no fundo do poço,suas festas serão as piores,muitos passarão fome, a grande maioria terão que se contentar com os olhares pedintes de seus filhos por um presente,pois o filho do vizinho ganhou, como explicarão isso, não adianta explicar que é porque são servidores públicos, eles não entenderiam.
    Só espero que a Justiça acorde, esse senhor tem que pagar pelo que está fazendo, tem que ter uma punição adequada, pois não acho justo que o próximo prefeito pague pela incompetência ou roubo deste senhor que usa em vão o nome de Deus.
    O próximo prefeito se não tiver cuidado, estará com uma herança maldita nas mãos, precisa urgente fazer uma auditoria em todos os setores da PMM, pra começar do zero e punir esse senhor incompetente ou ladrão.
    Feliz Natal a todos!

  6. Eleutério Gomes - Jornalista

    20 de dezembro de 2012 - 21:41 - 21:41
    Reply

    Está coberto de razão o Ulisses Maia. Os nobres vereadores [nove dos quais reeleitos] tiveram quatro anos para barrar o prefeito Maurino Magalhães e a caterva que o cercava, mas, não o fizeram e a sociedade gostaria de saber o motivo e não o terem feito. O resultado desastroso é o que está se vendo: o município arrasado em todos os sentidos, uma vergonha para Marabá e para os marabaenses. O que precisávamos aqui era o que aconteceu em São Domingos do Araguaia, onde prefeito, vice e vereadores foram trocados 100%. Lá o povo, o eleitor, aprendeu a amarga lição. Aqui, milhares dos nossos preferiram vender o voto por migalhas. Espero que nesta legislatura os nobres vereadores saibam nos representar – embora eu, particularmente, ache que nenhum deles me representa -,pois creio que no novo governo não vai haver lugar para sanguessugas, para parasitas!

  7. Ulisses Silva Maia

    20 de dezembro de 2012 - 19:39 - 19:39
    Reply

    Hiroshi, a culpa é, sem dúvida, do Maurino. Mas nesta culpa dele há também uma boa parcela que deve ser creditada na conta dos vereadores. O que fizeram em 4 anos? Tentaram tirar o Maurino às vesperas da entrega da faixa. Mas alegam agora que a culpa é da Dra. Maria Aldeci, que “devolveu” o Maurino ao cargo.
    Ora, se o afastamento tivesse acontecido a pelo menos 1 ano, daria tempo pra tudo, inclusive para afastá-lo definitivamente.
    E a vereadora Vanda Américo, uma das defensoras de tantas CPI’s (que não dão em nada), disse durante a campanha que o momento não era de CPI porque todos estavam envolvidos na campanha.
    O que se vê, infelizmente, é que essa perpetuação no poder tende a fazer com que os ditos “representantes” se acomodem nos seus gabinetes.
    Hiroshi, data máxima vênia de entendimento contrário, mas 7, 6, 5 mandatos é um absurdo.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *