Hiroshi Bogéa On line

Assentamentos respondem por 30% do desmatamento no Pará

Segundo informações preliminares do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE), os assentamentos localizados no Pará foram responsáveis por 30% do desmatamento da Floresta Amazônica no Estado, em 2013.

Cerca de 614 quilômetros quadrados (km²) foram destruídos de acordo com os dados obtidos com o Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia (Prodes).

A área desflorestada é 35% maior do que o espaço desmatado pelos assentamentos em 2012.

Os números constam na publicação “Situação do Desmatamento nos Assentamentos de Reforma Agrária no Estado do Pará”, apresentada nos últimos dias de 2013, pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

Os assentamentos que mais desmataram, em 2013, foram o Projeto de Assentamento (PA) Federal de Tuere (36,71 km²), localizado no município de Novo Repartimento, o PA Pombal (34,15 km²) de São Félix do Xingu, o Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Brasília (27,11 KM²), de Altamira, o PDS Vale do Xamanxim (18,03 km²), de Novo Progesso e o PA Colônia São José do Xingu (14,48 km²) de São Félix do Xingu.

Em 489 assentamentos o desmatamento foi superior à metade de sua área. Nesses assentamentos, 40 mil km² de florestas foram derrubadas até 2012, o equivalente a 80% do desmatamento nos assentamentos.

Os assentamentos criados entre 2001 e 2006 concentraram mais de 90% do desmatamento ocorrido antes da sua concepção na área.

Entre agosto de 2000 e julho de 2012 um total de 19,2 mil km² foram desmatados nos assentamentos do Estado do Pará. Isso foi equivalente a 27% do total desmatado no Estado para o mesmo período (71 mil km²).

A taxa anual de desmatamento nos assentamentos nos últimos 12 anos foi, em média, 1,4 mil km².  No Estado do Pará, a taxa anual média foi de 5,4 mil quilômetros quadrados para o mesmo período.

O Estado vem sofrendo reduções significativas nas taxas anuais de desmatamento graças a esforços conjuntos entre a sociedade civil e outras instituições das esferas estadual e federal.

Mesmo com a mesma tendência de redução do desmatamento, a contribuição dos assentamentos para o desmatamento do Pará ainda é alta.

Os esforços para combater o desmatamento no Estado ainda não têm funcionado dentro dos assentamentos

A contribuição anual dos assentamentos no desmatamento do Pará, concentra-se entorno dos 25%. Na escala mensal, em média 18% do desmatamento ocorre nas áreas assentadas. (Orm News)

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *