Hiroshi Bogéa On line

Ao que interessa

Recente pesquisa divulgada pelo Sindiferpa (Sindicato das Indústrias de Ferro Gusa do Estado do Pará) dando conta de que 80% da população vê o pólo siderúrgico de Carajás como fomentador do crescimento econômico da região será questionada, também através de intensa divulgação, por entidades não-governamentais que tiveram acesso aos números da consulta.
O sindicato será colocado no olho do furacão para explicar o direcionamento das perguntas dos formulários da pesquisa, realizada no período de 22 a 24 de julho, em Marabá, sem se preocupar em medir a temperatura popular a respeito das questões ambientais.
O povo entende, sim, o setor guseiro como fomentador de desenvolvimento, mas o enxerga mais ainda como devastador, exigindo também pesados investimentos na recuperação de florestas e no plantio de árvores.
Devastadora, a pesquisa… das Ongs.
Por toda a semana, o blog estará preparando matérias sobre o que não foi feito pelo Sindiferpa, apesar dos compromissos assumidos em documentos-, e o que foi feito, apenas para engabelar trouxas.

Post de 

7 Comentários

  1. Anonymous

    29 de setembro de 2007 - 15:38 - 15:38
    Reply

    Só uma dica para suas pautas. Os compromissos são ou foram assumidos individualmente, por empresa.

  2. Anonymous

    29 de setembro de 2007 - 15:22 - 15:22
    Reply

    Hiroshi,
    A pesquisa encomendada pelo Sindiferpa foi para conhecer a percepção da população em relação ao setor. A empresa contratada aqui em Marabá não manipulou dados, não forjou informação. Até pq não haveria sentido. O que se buscava era conhecer a imagem hoje e lá na frente reaplicar e fazer comparações. Isso, pelo que sei vai muito além do trabalho de divulgação do pólo siderúrgico da região. Vc sabe que está sendo criado um grupo de trabalho do governo que pode alinhavar um possível TAC. A maioria dos empresários tem conciência que precisa mudar a forma como a atividade é gerida hoje. O governo também precisa fazer a parte dele.
    Bem, quanto a pesquisa das Ongs aguardo ansioso o resultado.

  3. Hiroshi Bogéa

    29 de setembro de 2007 - 12:46 - 12:46
    Reply

    8:29 PM, eu conheço a pesquisa do Sidiferpa. E tive acesso também a pesquisa das ONGs, bem mais ampla e detalhada. O humor da popualção não está tão florido em relação aos guseiros.
    Bjos

  4. Anonymous

    28 de setembro de 2007 - 23:29 - 23:29
    Reply

    Caro Hiroshi,
    Se essa pesquisa é a mesma que tive acesso, informo-lhe q o resultado da mesma detecta que o polo guseiro é sim visto como fomentador do desenvolvimento economico da região, bem como os problemas ambientais q as mesmas geram tbm foram detectados e ainda, os entrevistados apontam soluções q deveriam ser adotadas pelas empresas q compõem o polo. Essa parte inclusive, causou um certo descontentamento por parte de um dos empresários presentes(bem conhecido por sinal).
    Acredito q o erro foi a omissão dos dados negativos.
    Bjo

  5. Anonymous

    28 de setembro de 2007 - 21:31 - 21:31
    Reply

    Estado de Carajás para termos direitos.

  6. Anonymous

    28 de setembro de 2007 - 20:16 - 20:16
    Reply

    Cada vez mais me convenço de que esse Distrito Industrial de Marabá representa um triste futuro para o povo de Marabá, Daqui a 10 anos todos verão que o tal “desenvolvimento” do qual tanto falam para defendê-lo, não passará de uma brutal disseminaçao de miséria geral, com a dstruiçao paralela das riquezas naturais.
    Façam algo contra essa realidade, vocês que moram na região. Enquanto é tempo. Se é que ainda há tempo.
    Neide Santiago Maia – Belém
    Bairro Telégrafo

  7. Anonymous

    28 de setembro de 2007 - 13:02 - 13:02
    Reply

    Raros são os donos de gusa que tem compromisso com Marabá. Esse diretor do sindicato deve ser mais um que veio de longe para explorar nossas riqueza e retornar para terra de origem bamburrado.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *