Hiroshi Bogéa On line

Gosto de cacau

O competente Frank Siqueira assina oportuna matéria sobre o crescimento da atividade cacaueira no Pará. Identificada havia algum tempo em regiões como a Transamazônica e o Sudeste do Estado, a nova cultura agrícola já é uma realidade.

Post de 

7 Comentários

  1. Val-André Mutran

    25 de outubro de 2007 - 01:23 - 1:23
    Reply

    Égua o Pagão tá doido é?

  2. Ricardo Ruas

    24 de outubro de 2007 - 02:53 - 2:53
    Reply

    A produção de cacau nunca foi grande no Sudeste do Pará, mais de uns tempos pra cá, nas cidades de Altamira, Medicilândia e afrentes, ouve um grande desenvolvimento, que é claro, nunca chegará a um estágio da pecuária!
    Na verdade, toda e praticamente região envolta da mata sempre foi economicamente “forte” no cacau!

  3. Hiroshi Bogéa

    24 de outubro de 2007 - 00:16 - 0:16
    Reply

    Ei Val, olha aí a sacanagem do Ademir contigo!!! Eh ehe

  4. Hiroshi Bogéa

    24 de outubro de 2007 - 00:15 - 0:15
    Reply

    Anonimo 4:38 PM, você está prenhe de razão. Só que a nossa regiao nunca teve a tradiçao de plantar cacau. De origem extrativista, o Sudeste do Pará e parte da Transamazonica começaram a experimentar essa atividade de uns tempos pra cá.
    Um abraço

  5. Quaradouro

    23 de outubro de 2007 - 21:35 - 21:35
    Reply

    Hiroshi, maninho:
    Pede pro Val-André trocar aquela foto do blog dele. Putamerda!, cara, ele parece estar ouvindo o canto de um galo noturno e inesperado e não sabe sequer onde o ladino se situa! Ou, então, está nosso confrade (putamerda! isso não é nome de parceiro!) tentando sintonizar com a orelha direita o que a esquerda nao teve a menor condição de entender!…

  6. Anonymous

    23 de outubro de 2007 - 19:38 - 19:38
    Reply

    Nova cultura?
    O cacau e originario da Amazonia.

  7. Anonymous

    23 de outubro de 2007 - 17:29 - 17:29
    Reply

    Toda reportagem que esse jornalista escreve é de boa qualidade. Ele deve ser um dos melhores do Estado, concorda Hirochi?

Leave a Reply to Val-André Mutran

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *