Hiroshi Bogéa On line

Considerações sobre a cultura da roubalheira

 

 

Ghyslaine Cunha, colaboradora do blog, emite opinião no status de seu Face sobre a denúncia de fraudes e desvios na Assembleia Legislativa envolvendo ex-presidentes e o atual da AL:

 

1) É fundamental que tudo seja rigorosamente apurado, que os verdadeiros culpados sejam punidos e que o dinheiro desviado retorne aos cofres públicos, sendo assim: o MP está cumprindo seu papel e está de parabéns!

2) Quem tem que devolver o dinheiro aos cofres públicos não é o Banpará, porque aí o dinheiro público seria duplamente roubado do povo. Quem tem que devolver o dinheiro aos cofres públicos são os corruptos que se beneficiaram, os que desviaram os recursos.

3) É preciso fazer uma diferença entre os corruptos poderosos, que deram as ordens, e o bancário do Banpará, que recebeu e cumpriu as ordens, pelos motivos já fartamente expostos: assédio moral e comando de todos os poderes dentro do Banco e da ALEPA, quando o bancário coordenava o posto, e tudo o que fez ou deixou de fazer teve a anuência da direção da ALEPA e do Banco, conforme o próprio bancário deixou claro à imprensa e ao MP; porque senão esse bancário, que mora num casebre em Ananindeua e nem carro próprio possui, vai ser queimado na fogueira por ter obedecido ordens superiores, ainda que ordens não escritas. E tem um detalhe: como é um ferrado, o fogo sob seus pés arderá e subirá bem mais rapidamente do que sob os pés de ouro podre dos poderosos. Aí, estaremos alimentando uma injustiça, quando o que queremos é uma verdadeira justiça. Que paguem os culpados, os corruptos e não o bancário. E que paguem com o dinheiro usurpado do povo, e não com o dinheiro do Banpará!

 

Nota do Blog: o poster comunga mesma opinião de Ghyslaine, adiantando apenas não entender como ainda parte da população investe pesado, eleição após eleição, no que há de mais podre na política do Estado.

Os verdadeiros representantes da roubalheira paraense, no olho do furacão.

Post de 

3 Comentários

  1. Jorge Taiguara

    4 de fevereiro de 2012 - 19:09 - 19:09
    Reply

    Lamentavelmente um esclarecimento desse porte não tem repercussão na grande midia, uma denuncia dessa, é logo tratorada pelos guardiães do govêrno, para que a farça se mantenha incólume.
    É uma denuncia consistente a meu ver, que diga-se de passagem sou leigo no assunto, mas consubstancia-se pelos relatos expostos.

  2. Luis Sergio Anders Cavalcante

    3 de fevereiro de 2012 - 15:31 - 15:31
    Reply

    Hiro, é uma denuncia muito grave que faz esse senhor em relação à esse “ouro de tolo”. Em 03.02.12, Marabá-PA.

  3. Abelardo

    31 de janeiro de 2012 - 22:32 - 22:32
    Reply

    Todos os Senhores e Senhoras, os de boa fé, estão sendo enganados pela PETROBRAS e pelos seus geólogos com “A FARSA DO PRÉ-SAL BRASILEIRO”, e afirmo isso enquanto ex-geólogo de petróleo, que por cerca de 20 anos, trabalhou na Empresa na Bacia Sedimentar de Sergipe e de Alagoas, a mais completa das bacias brasileiras em termos de registros sedimentares, uma verdadeira bacia escola.
    Em 1989, através de um relatório técnico afirmei que na parte terrestre da Bacia de Sergipe, de Alagoas, de Pernambuco e da Paraíba (Exploração Petrolífera SEAL e PEPB) não havia mais petróleo novo por descobrir e isso me custou a primeira demissão da Petrobras. Infelizmente eu estava certo. Nenhuma descoberta ocorreu mais na Bacia de Sergipe e de Alagoas, na parte terrestre, em que pese todo o aparato tecnológico empregado na sua exploração, desde então.
    Denunciei em 2005 ao MPF/SE e pedi providências contra o caixa2 na construção da plataforma de casco redondo para o Campo de Piranema, um projeto com contrato de aluguel por 11 anos da plataforma de casco redondo, a primeira do mundo, ao custo de U$ 1 bilhão de dólares. Mostrei a farsa, mas o Gerente Geral da Petrobras em Sergipe Geólogo Eugênio Dezen apresentou um relatório elaborado pela empresa de consultoria DeGOLEYR and MacNAUGHTON atestando a economicidade do Campo de Piranema, tendo solicitado ao MPF/SE para que eu não tivesse acesso ao mesmo, o que de fato aconteceu, ou seja, o MPF/SE não permitiu que a parte denunciante envolvida tivesse acesso a documentação, o que torna o caso mais suspeito ainda, porque tal decisão fere frontalmente a CF/88. O que levou então o MPF/SE a cometer essa ilegalidade? (Lula e Déda inauguram Piranema e O custo do fracasso de Piranema) Infelizmente eu estava certo novamente (Os projetos da Petrobras para Sergipe)
    Levei também ao conhecimento dos Senhores e Senhoras, quando do anúncio da descoberta do Pré-Sal (Pré-sal: farsa ou propaganda enganosa?), que se tratava de propagando enganosa do governo federal e nenhum dos Senhores e Senhoras se dignou em pedir explicações justificadas, com exemplos reais, sobre os meus questionamentos a PETROBRAS ou a qualquer dos milhares de assessores parlamentares, os quais continuam válidos, e que sem explicações fundamentadas fica evidenciada a farsa.
    A CPI da PETROBRAS poderia ter esclarecido este estelionato eleitoral, mas a maioria dos Senhores e das Senhoras preferiu calar e trair o País. Agora, ridícula e irresponsavelmente travam uma infrutífera guerra pelos royalties de um volume de petróleo inexistente no Pré-Sal, quando o País clama desesperadamente por socorro na saúde, na educação, na segurança, na… E em todas as áreas, dos 40 ministérios, cada um deles envolvido mais que outro em atos eivados de ilegalidades contra a administração pública e contra o cidadão, alguns com casos explícitos de corrupção generalizada.
    Todos os questionamentos, principalmente sobre os valores utilizados como parâmetros nas simulações dos volumes descobertos, podem ser vistos novamente em: As descobertas da PETROBRAS no pré-sal brasileiro e A confusão com a terminologia da PETROBRAS para os volumes do pré-sal
    Para encerrar, alguns deles que PETROBRAS também não sabe explicar:
    “Teoria Orgânica” versus “Teoria Inorgânica” para a origem do petróleo do Pré-Sal:
    a) Origem orgânica:
    Petróleo é marinho ou continental? Onde está a rocha geradora do petróleo? A rocha geradora está em contato com a rocha reservatório? O volume de rocha geradora é compatível com o volume de óleo descoberto, segundo a PETROBRAS? Se a rocha geradora não está em contato com a rocha reservatório, o petróleo migrou de onde e por onde? Através de falhas geológicas?
    b) Origem inorgânica:
    Onde e quando foi gerado, quando e por onde migrou para a rocha reservatório? Através de falhas geológicas?
    Portanto, se a migração foi por falhas então as rochas reservatórios não tem essa tão propalada continuidade, fato esse corroborado pelos poços secos perfurados, o que diminui sensivelmente a área em extensão dos reservatórios e armadilhas e, conseqüentemente, o possível volume de petróleo descoberto.
    Em síntese, o problema é que a PETROBRAS não consegue se explicar geologicamente quanto ao volume de petróleo descoberto e anunciado com estardalhaço pelo governo federal, volume esse totalmente questionável, tanto pela “Teoria Orgânica para a Origem do Petróleo” (com a qual a PETROBRAS trabalha e para isso montou um dos maiores laboratórios de geoquímica do petróleo do mundo) quanto pela “Teoria Inorgânica”.
    Desejo todos os Senhores e Senhoras que vivam o suficiente para verificarem que infelizmente mais uma vez estarei certo, no caso da FARSA do PRÉ-SAL. Pobre BRASIL!
    Atenciosamente.
    Ivo Lúcio Santana Marcelino da Silva.
    TE. 0018 5157 2186 / 036 / 0052

    Abelardo Esteves

Leave a Reply to Jorge Taiguara

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *