Hiroshi Bogéa On line

Vírus instalado por falso e-mail da Justiça Eleitoral rouba dados

“O sr. (a) foi convocado para trabalhar nas eleições gerais de 2018”, diz o texto, que determina que a pessoa compareça ao “salão principal do fórum da cidade”. Esta mensagem está sendo enviada através de um e-mail com falso remetente da Justiça Eleitoral, que tenta fisgar eleitores na internet esta semana com uma convocação para um treinamento obrigatório de mesários.

O e-mail sugere que a vítima faça download de um formulário anexo caso não possa ir ao treinamento. O arquivo é malicioso e, segundo especialistas, instala um vírus que pode roubar dados bancários de usuários de Windows.

A fraude pede que as vítimas preencham um formulário, a ser enviado até esta quarta-feira (24). Em tom de urgência – comum de golpes na internet – a mensagem diz que o comparecimento sem justificativa acarretará no cancelamento do título de eleitor e na suspensão do CPF.

Pessoas com programas de antivírus instalados no computador ou no dispositivo móvel não conseguem abrir o arquivo. Quem não está seguro, entretanto, automaticamente instala um programa malicioso no aparelho ao clicar no anexo.

“Malwares similares a esse costumam ser do tipo RAT (Remote Access Trojan). Ele monitora quando o usuário acessa seu banco pela internet e, quando a vítima faz o login, o criminoso rouba os dados bancários, podendo acessar a máquina da vítima remotamente e fazer operações bancárias”, diz Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, laboratório de cibersegurança da empresa PSafe.

Usuários que recebem esse email devem evitar clicar em qualquer área da correspondência e deletá-la. O phishing -técnica que busca “pescar” vítimas com mensagens falsas para que estas cliquem em links ou baixem arquivos -pode ser evitado pela análise do remetente (o que está escrito depois do @) e por características como grafia incorreta.

Nesse caso, o endereço eletrônico não é a Justiça Eleitoral, mas uma série de números e letras aleatórias, e o conteúdo tem erros de português. Criminosos já usaram o nome da Justiça Eleitoral em outras ocasiões, comunicando sobre o cancelamento do título eleitoral ou solicitando a atualização dos dados cadastrais.

A Justiça Eleitoral não envia emails para comunicar o cancelamento de títulos. Somente os tribunais regionais eleitorais do Rio Grande do Sul, de Goiás e Santa Catarina usam email para recrutar mesários, “mediante prévia e específica autorização do convocado”, informa o Tribunal Superior Eleitoral.

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *